Idosa de 92 anos desaparecida em Bragança

Idosa está desaparecida desde o início da manhã de quinta-feira

Uma idosa de 92 anos está desaparecida há mais de 24 horas em Bragança e a ser procurada por várias autoridades em buscas que foram reforçadas na manhã de hoje, informou a GNR de Bragança.

Aquela força de segurança, que coordena as buscas, indicou à Lusa que a idosa estará desaparecida desde "as 06:00 de quinta-feira [02 novembro]" e que as buscas se iniciaram no próprio dia do alerta.

Segundo ainda as autoridades, a mulher residia no Porto e era natural de Rebordaínhos, uma aldeia do concelho de Bragança. A idosa estaria em Bragança, em casa de uma amiga a passar a época dos Fieis Defuntos.

A fonte da GNR informou que as buscas foram reduzidas durante a última noite, mas nunca estiveram suspensas.

Disse ainda que, desde as 08:00 de hoje o dispositivo foi reforçado no terreno com uma equipa cinotécnica (cão e homem), militares da GNR, elementos dos GIPS (Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro) e 10 bombeiros da corporação de Bragança.

A PSP de Bragança participou também nas buscas durante o dia de quinta-feira, como referiu à Lusa o gabinete de Relações Públicas daquela força de segurança.

De acordo com os relatos feitos à GNR, a idosa não sofreria de qualquer perturbação mental e seria autónoma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.