Identificados 15 novos planetas e entre eles há uma 'Super Terra'

Cientistas admitem possibilidade de existência de água líquida à superfície num dos novos planetas encontrados

Cientistas identificaram 15 novos planetas fora do Sistema Solar, a orbitar estrelas anãs vermelhas, incluindo uma 'Super Terra' com condições para ter água líquida à superfície, foi anunciado esta segunda-feira.

Segundo uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Tóquio, no Japão, uma de três 'Super Terras' detetadas a girar em torno de uma das anãs vermelhas mais brilhantes, a K2-155, a cerca de 200 anos-luz do 'planeta azul', poderá estar na chamada 'zona habitável' da estrela.

A zona habitável é uma região do espaço que não é demasiado quente nem demasiado fria para a água líquida existir à superfície de um planeta. A água é um elemento essencial para a vida tal como se conhece.

Os cientistas sustentam a sua hipótese em simulações climáticas tridimensionais. Uma estimativa mais precisa do raio e da temperatura da estrela será necessária para validar a hipótese, admitem.

O planeta em questão, o K2-155d, o mais distante das 'Super Terras', assim designadas por serem ligeiramente maiores do que a Terra, tem um raio 1,6 vezes maior do que o 'planeta azul'.

As anãs vermelhas são estrelas pequenas e frias, com uma temperatura à superfície inferior a 3726ºC (o Sol tem uma temperatura à superfície na ordem dos 5504ºC).

Os resultados da descoberta, descritos em dois artigos publicados na revista The Astronomical Journal, baseiam-se em dados recolhidos pela segunda missão da sonda norte-americana Kepler e em observações posteriores a partir de telescópios terrestres, como o Subaru, no Havai, nos Estados Unidos, e o Telescópio Ótico Nórdico, nas Canárias, em Espanha.

Há um ano, uma equipa internacional de astrónomos, incluindo a portuguesa Catarina Fernandes, que participou nas observações, descobriu um sistema de sete planetas a orbitar uma anã vermelha, a TRAPPIST-1, localizada a uma distância inferior da Terra, a 40 anos-luz.

Alguns destes planetas poderão ter potencialmente mais água do que o 'planeta azul', de acordo com um novo estudo divulgado em fevereiro, sendo que o quarto a contar da estrela é o mais parecido com a Terra em termos de tamanho, densidade e radiação recebida.

Meses antes, em agosto, uma outra equipa de astrónomos anunciara a descoberta de um planeta extrassolar a orbitar a estrela mais próxima do Sol, a Próxima de Centauro, também uma anã vermelha, mas situada a 4,22 anos-luz.

O planeta Próxima b, o mais perto da Terra, tem uma temperatura adequada para ter água líquida à sua superfície, pelo menos nas regiões mais quentes. Contudo, tem uma massa 1,3 vezes maior do que a Terra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.