Icebergue do tamanho do Algarve está prestes a desprender-se da Antártida

O enorme bloco está preso à plataforma por apenas 20 quilómetros de gelo

Um icebergue de cerca de cinco mil quilómetros quadrados, um dos dez maiores de que há registo, está perto de se desprender da Antártida, alertam cientistas da Universidade de Swansea, no País de Gales, Reino Unido.

Uma comprida fenda no segmento Larsen C, uma das três existentes na barreira de gelo Larsen, aumentou rapidamente no mês de dezembro e neste momento o icebergue está preso à plataforma por apenas 20 quilómetros de gelo.

O Larsen C, de 350 metros de espessura, está localizado na costa oriental da península antártica e ajuda a travar o fluxo dos glaciares - rios de gelo - que estão por detrás.

Trata-se da maior plataforma de gelo no norte da Antártida.

As plataformas de gelo são as porções da Antártida em que a camada de gelo está sobre o oceano e não sobre o solo.

O pedaço de gelo tem uma extensão equivalente ao território do Algarve, pelo que o seu desprendimento pode, segundo os cientistas, provocar outros no futuro.

Há muitos anos que os investigadores têm observado a fenda no Larsen C, atenção que aumentou após o colapso do Larsen A - o segmento mais pequeno - em 1995 e do Larsen B, que se desintegrou quase totalmente em 2002.

"Se [o icebergue do Larsen C] não se desprender nos próximos meses, ficarei espantado", disse à estação de televisão britânica BBC o professor Adrian Luckman, da Universidade de Swansea.

Segundo explicou, os cientistas observaram o aumento da fenda através de imagens do satélite Esa Sentinel.

Luckman sublinhou tratar-se de um fenómeno geográfico e não climático, uma vez que a fenda existe há décadas, mas aprofundou-se agora.

A preocupação dos cientistas é a possibilidade de, se o Icebergue se desprender, os glaciares acelerarem o seu movimento em direção ao mar, o que teria um impacto no nível dos oceanos.

Segundo estimativas dos especialistas, se o gelo retido pela barreira Larsen C chegar ao mar, o nível dos oceanos poderá subir cerca de dez centímetros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.