Homens ganham três anos de vida em dez anos

Menor diferença entre géneros é um indicador de desenvolvimento humano

A esperança média de vida das mulheres à nascença continua a ser superior à dos homens, mas a diferença é cada vez menor. De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), nos últimos dez anos, a diferença diminuiu de 6,52 para 5,72 anos. No mesmo período, a esperança de vida à nascença da população portuguesa aumentou 2,44 anos, uma vez que os homens ganharam perto de três anos e as mulheres dois. "Há uma reflexão importante a fazer: Como é que podemos pôr a qualidade a evoluir da mesma forma que a quantidade? Para que serve viver até aos 200 anos, se a partir dos 50 ficamos acamados?", questiona a diretora da Pordata, Maria João Valente Rosa.

Segundo os dados das Tábuas de Mortalidade para Portugal, a esperança de vida à nascença foi estimada em 80,62 anos para o total da população, sendo de 77,61 anos para os homens e de 83,33 anos para as mulheres no período 2014--2016. Isto representa um ganho de três meses para o sexo masculino e de 1,2 meses para o feminino face aos valores de 2013-2015, o que põe os homens mais perto das mulheres.
Destacando que "estamos a caminhar no bom sentido", Maria João Valente Rosa explica que "a diferença entre homens e mulheres é menor nos países mais desenvolvidos", pelo que uma menor diferença é um "bom indicador de desenvolvimento humano". No entanto, alerta, "é importante não descurar a questão da qualidade".

Os dados de 2014 mostram que embora as mulheres vivam mais, têm, em média, menos anos de vida saudável aos 65 anos do que os homens.

Os ganhos em termos de esperança média de vida refletem, de acordo com a demógrafa, avanços ao nível do desenvolvimento. "Tem que ver com a escolaridade, com os avanços médicos ao nível da prevenção, com estilos de vida mais saudáveis, com uma maior sensibilização ao nível dos comportamentos de risco." Tudo isto permite ter uma "sociedade mais esclarecida" para "enfrentar certos riscos". Portugal segue uma tendência que se verifica a nível mundial, cujo limite se desconhece. "Não sabemos até onde poderá ir a esperança média de vida", sublinha.

No seguimento dos dados publicados ontem pelo INE, fonte do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social confirmou à Lusa que as reformas antecipadas pedidas este ano terão um corte à cabeça de 13,88%. Os dados definitivos da esperança média de vida aos 65 anos indicam que este indicador é de 19,31 anos, confirmando-se assim as estatísticas provisórias avançadas em novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.