Detidos por assaltos a caixas de multibanco ficaram em prisão preventiva

Os três homens, dois portugueses e um estrangeiro, foram detidos na zona de Alcobaça. Tinham armas com calibre de guerra

Os três homens que formavam o grupo desmantelado na segunda-feira pela Polícia Judiciária (PJ) por assaltos a caixas multibanco, com recurso a explosão, ficaram em prisão preventiva, disse hoje à agência Lusa fonte policial.

Os detidos foram interrogados na terça-feira por um juiz de instrução criminal.

Em conferência de imprensa, na segunda-feira, a polícia Judiciária disse que o grupo era formado por "gente perigosa" com antecedentes criminais e acesso a armas com calibre de guerra.

O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da PJ, Luís Neves, garantiu que a liderança daquele grupo criminoso foi "desmantelada", precisando que os três homens, dois portugueses e um estrangeiro, com idades entre os 27 e os 30 anos, foram detidos durante a madrugada de segunda-feira, numa localidade a norte de Lisboa, no âmbito de uma operação que teve a colaboração da GNR.

Fontes policiais contactadas pela Lusa precisaram que as detenções ocorreram na zona de Alcobaça (distrito de Leiria) e que o cidadão estrangeiro que integrava aquela associação criminosa é oriundo de um país de Leste.

Segundo Luís Neves, a operação desencadeada e que permitiu apreender cilindros com gás explosivo, armas com calibre de guerra e mais de uma dezena de milhares de euros, foi o culminar de uma investigação que dura há um ano e que tem tido a cooperação da PSP e do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Os detidos tem antecedentes criminais, mas por "factos de diferente tipologia", referiu o diretor da UNCT, sem adiantar mais pormenores sobre o passado dos suspeitos.

A este grupo é atribuído a prática de vários assaltos a caixas de multibanco, sempre através do método de explosão, mas não foi quantificado o número de assaltos que terá realizado.

Entre os objetos apreendidos ao grupo criminoso consta uma metralhadora (AK 47), cuja proveniência está ainda a ser investigada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.