Homem morto por avioneta na praia era sargento da Força Aérea

Homem de 56 anos estava na reserva da Força Aérea. Morreu quando a avioneta efetuou uma aterragem de emergência

O homem que morreu colhido por uma avioneta na quarta-feira na praia de São João, na Costa de Caparica, era sargento da Força Aérea. José Lima, de 56 anos, estava em situação de reserva.

No Facebook, vários amigos de José Lima prestaram a última homenagem e houve até quem falasse na "ironia do destino".

"Ironia do destino... Sargento da Força Aérea, a gozar no seu pleno direito a reserva que tanto ambicionou, junto daqueles que sempre quis estar, na sua praia, à beira mar... é atropelado por uma aeronave!!!", escreveu um amigo de José Lima no Facebook, segundo o Jornal de Notícias.

Lima era natural de Viseu e vivia em Almada. A família dispensou as cerimónias fúnebres militares.

A outra vítima mortal deste incidente é uma menina de oito anos.

A aeronave realizava um voo de treino que saiu de Cascais e tinha com destino Évora, tendo entrado em contacto com uma torre de controlo reportando problemas.

As causas técnicas e as circunstâncias deste incidente serão investigadas pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.