Homem detido por suspeita de burla a idosa com notas de 50 euros

Homem fez-se passar por funcionário de um banco e convenceu a vítima a entregar-lhe todas as notas de 50 euros que tinha para as trocar por notas novas

Um homem foi detido na segunda-feira por suspeitas de burla a uma idosa em Setúbal na sequência da entrada em circulação da nova nota de 50 euros, informou a Guarda Nacional Republicana (GNR).

Em comunicado, o comando territorial de Setúbal adiantou que o homem, de 69 anos, fez-se "passar por funcionário bancário e abordou a vítima na sua residência convencendo-a a entregar-lhe todas as notas de 50 euros que tinha em casa para as trocar por umas novas".

O suspeito alegou que as notas antigas iriam sair de circulação e fugiu em direção a Setúbal, segundo a GNR.

"A idosa deu 28 notas de 50 euros ao suspeito que fugiu em direção a Setúbal", indica a GNR, acrescentando que "após terem conhecimento do sucedido, os militares encetaram diligências que permitiram localizar e intercetar o suspeito ainda na posse do dinheiro furtado".

O homem ficou sujeito a termo de identidade e residência.

A nova nota de 50 euros, a mais utilizada na zona euro, entrou na terça-feira em circulação, com as autoridades a acreditarem ser mais segura do que a atual nota do mesmo valor que é mais falsificada.

A nova nota cor de laranja vai circular ao mesmo tempo da atual nota do mesmo valor, não sendo necessária qualquer deslocação a um banco para fazer a troca das notas antigas.

Também a GNR informou na terça-feira estar a realizar ações de sensibilização para prevenir burlas relacionadas com a entrada em circulação da nova nota de 50 euros.

A GNR alertou que "não existe ninguém mandatado por qualquer instituição bancária para fazer a recolha das notas de 50 euros antigas e que, caso se deparem com propostas desta índole, deverão entrar em contacto" com o posto da Guarda mais próximo e fazer o mesmo se encontrarem uma nota falsa.

Para certificar que a nota não é falsa, a GNR aconselha os cidadãos a utilizar o método "Tocar, Observar e Inclinar".

Assim, o consumidor deve sentir nas margens esquerda e direita a impressão em relevo, observar em contra luz para ver "um retrato de Europa, os algarismos representativos do valor e o motivo principal, bem como um pequeno recorte em forma de janela" e inclinar a nota de modo a "ver o número esmeralda com um efeito luminoso de movimento ascendente e descendente".

Este holograma apresenta um retrato de Europa e os algarismos representativos do valor da nota.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.