Português barricou-se em avião da British Airways

Autoridades britânicas não acreditam que a situação esteja relacionada com um ato terrorista

Um homem de 38 anos foi preso depois de se barricar num avião da British Airways. O indivíduo, que segundo a imprensa britânica tem nacionalidade portuguesa, conseguiu escapar à segurança do aeroporto de Heathrow, em Londres, e entrou num Boeing 747, que estava estacionado. Ao aperceber-se de que tinha sido visto, entrou no cockpit e fechou a porta.

Segundo o The Telegraph, os seguranças não conseguiram abrir a porta, construída a pensar na proteção do piloto e copiloto em caso de ataque terrorista. Foi necessário chamar os bombeiros que também tiveram dificuldades em abri-la.

"Foi uma situação difícil e complexa", salientou uma fonte citada pelo jornal britânico. "Eventualmente eles [bombeiros] conseguiram ter acesso ao cockpit e a polícia pôde entrar e prender o intruso", acrescentou. Apesar da resolução do caso, a mesma pessoa salientou que foi uma "situação aterradora", visto que um homem conseguiu entrar num avião "num dos aeroportos mais movimentados do mundo" e ainda se barricou "utilizando o equipamento anti-terrorista da aeronave".

O incidente aconteceu sábado de manhã e a polícia confirmou em comunicado que o homem vai ser acusado por ter entrado no avião. Porém, escreve o The Telegraph, as autoridades não acreditam que se tratasse de um ato terrorista. O homem de 38 anos vive em Londres e foi identificado como Louis Pedro Verdasca dos Santos Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.