Português barricou-se em avião da British Airways

Autoridades britânicas não acreditam que a situação esteja relacionada com um ato terrorista

Um homem de 38 anos foi preso depois de se barricar num avião da British Airways. O indivíduo, que segundo a imprensa britânica tem nacionalidade portuguesa, conseguiu escapar à segurança do aeroporto de Heathrow, em Londres, e entrou num Boeing 747, que estava estacionado. Ao aperceber-se de que tinha sido visto, entrou no cockpit e fechou a porta.

Segundo o The Telegraph, os seguranças não conseguiram abrir a porta, construída a pensar na proteção do piloto e copiloto em caso de ataque terrorista. Foi necessário chamar os bombeiros que também tiveram dificuldades em abri-la.

"Foi uma situação difícil e complexa", salientou uma fonte citada pelo jornal britânico. "Eventualmente eles [bombeiros] conseguiram ter acesso ao cockpit e a polícia pôde entrar e prender o intruso", acrescentou. Apesar da resolução do caso, a mesma pessoa salientou que foi uma "situação aterradora", visto que um homem conseguiu entrar num avião "num dos aeroportos mais movimentados do mundo" e ainda se barricou "utilizando o equipamento anti-terrorista da aeronave".

O incidente aconteceu sábado de manhã e a polícia confirmou em comunicado que o homem vai ser acusado por ter entrado no avião. Porém, escreve o The Telegraph, as autoridades não acreditam que se tratasse de um ato terrorista. O homem de 38 anos vive em Londres e foi identificado como Louis Pedro Verdasca dos Santos Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.