Homem agredido na Moita morreu no hospital

A vítima foi transportada para o hospital Garcia de Orta, em Almada mas não resistiu aos ferimentos e acabou por morrer na quinta-feira

O homem ferido na terça-feira por outro em Alhos Vedros, concelho da Moita, acabou por morrer no hospital, disse esta sexta-feira à Lusa fonte da Polícia Judiciária (PJ).

A vítima foi transportada para o hospital Garcia de Orta, em Almada, também no distrito de Setúbal, mas não resistiu aos ferimentos e acabou por morrer na quinta-feira.

Um homem de 53 anos foi detido pela GNR na zona das Arroteias, em Alhos Vedros, depois de os militares o encontrarem a estrangular outro homem com um cinto, segundo a polícia.

Depois de os separarem, os militares constataram que a vítima tinha um golpe profundo na zona do pescoço e foi chamado o socorro médico, que o transportou para o hospital.

Perto do local foi encontrada uma viatura que tinha sido roubada através de 'carjacking'.

Segundo as autoridades, o condutor terá sido ameaçado com uma faca quando estava no interior da sua carrinha pelo mesmo suspeito que foi detido pela GNR.

Depois do roubo, a viatura conduzida pelo suspeito despistou-se junto a uma linha de comboio.

Segundo a PJ, o homem foi detido por suspeita dos crimes de roubo agravado e homicídio qualificado, na forma tentada, e ficou em prisão preventiva após ser ouvido em tribunal.

A PJ continua a investigar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.