Homem acusado de violar regras de segurança após morte de operário

Operário subiu ao telhado de um armazém sob ordens do arguido para substituir telhas, mas acabou por cair e morrer

O Ministério Público acusou um homem de violar regras de segurança, depois de um operário, às suas ordens, ter morrido na sequência da queda de um telhado na Maia, informou hoje a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

Segundo a acusação, citada pela PGD na sua página oficial, o arguido não observou as regras de segurança para a realização da obra, não proporcionou as condições de proteção coletiva e individual, não deu equipamentos de segurança à vítima mortal, não lhe ministrou formação e não providenciou a instalação de meios de acesso, deslocação e circulação necessários à segurança no cimo do telhado.

A 28 de janeiro de 2015, um homem, operário de profissão, agindo por conta e às ordens do arguido, subiu ao telhado de um armazém, na Maia, distrito do Porto, para substituir telhas, mas uma delas não suportou o seu peso, partiu e a vítima caiu de uma altura de oito metros, acabando por morrer, pode ler-se na nota.

Exclusivos