Assaltantes que explodiam caixas multibanco detidos

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de dois homens suspeitos de fazerem parte de um grupo responsável pelo furto de dinheiro em caixas multibanco, com recurso a arrombamento com utilização de explosivos.

Em comunicado, a PJ afirma que os dois detidos são presumíveis autores de "várias explosões em caixas multibanco, ocorridas entre agosto e outubro de 2016", em Coimbra, Condeixa-a-Nova e Maiorca (distrito de Coimbra), e em Alvaiázere, distrito de Leiria.

A investigação, a cargo da Diretoria do Centro da PJ, resultou numa operação policial, realizada na madrugada de quarta-feira na zona de Coimbra, "tendo em vista o completo desmantelamento do referido grupo criminoso" e que, de acordo com o comunicado, "permitiu reforçar os elementos probatórios já existentes".

Para além da detenção dos dois suspeitos - que depois de ouvidos por um juiz ficaram sujeitos a apresentações às autoridades duas vezes por semana - foram apreendidas peças de vestuário, calçado e telemóveis.

A investigação, tutelada pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra, levou ainda à identificação de um terceiro homem, presentemente em prisão domiciliária pela prática de crimes contra a propriedade e que foi constituído arguido por suspeitas de fazer parte do mesmo grupo criminoso, cujos integrantes têm entre 20 e 35 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?