Greve parcial vai afetar ligações fluviais no rio Tejo nos próximos dois dias

Os trabalhadores da Transtejo e da Soflusa vão cumprir uma greve parcial nos próximos dois dias para contestar problemas nas embarcações e a rejeição da revisão do Acordo de Empresa, o que deverá afetar as ligações fluviais no rio Tejo.

"Por motivo de greve parcial, convocada por diversas organizações sindicais representativas dos trabalhadores da Transtejo e da Soflusa, não será possível garantir o serviço regular de transporte fluvial nos dias 26 e 27 de abril", refere a administração da Transtejo e Soflusa em comunicado.

A Transtejo é a empresa responsável pelas ligações fluviais entre Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável pela ligação entre o Barreiro e Lisboa.

As ligações das duas empresas vão ser afetadas, em especial, nos períodos das horas de ponta da manhã e da tarde.

Os trabalhadores da Transtejo vão parar durante três horas por turno, enquanto os da Soflusa param duas horas por turno, período durante o qual os terminais e as estações estarão encerrados "por motivos de segurança".

A ligação entre o Montijo e o Cais do Sodré começa a efetuar-se depois das 09:15, sendo esperado que, à tarde, volte a parar a partir das 16:30 até às 20:15.

Na carreira entre Cacilhas e o Cais de Sodré, as ligações devem começar pelas 09:12 e funcionam até às 16:45, hora em que voltam a parar até cerca das 20:14.

Já na ligação fluvial entre o Seixal e o Cais de Sodré, os barcos devem começar a funcionar às 09:15 e depois voltam a parar entre as 16:45 e as 20:15, enquanto na ligação da Trafaria/Porto Brandão com Belém as embarcações circulam a partir das 09:40 até às 16:30, sendo retomadas novamente às 20:30.

No caso da ligação entre o Barreiro e Lisboa, os barcos devem começar a funcionar pelas 10:40 até às 18.10, com as ligações a serem depois de novo interrompidas até às 20.35.

As últimas ligações da noite e da madrugada de todas as carreiras também serão afetadas e os serviços mínimos decretados são para realização de apenas uma carreira nas ligações de Cacilhas, Montijo e Seixal, e duas no Barreiro.

Os trabalhadores das duas empresas contentam o faço de o Ministério das Finanças não ter aprovado o acordo, assinado em dezembro com as organizações de trabalhadores, para a renovação da contratação coletiva existente, bem como as condições da frota de navios e pontões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?