Greenpeace apoia "crime contra a humanidade"? 109 prémios Nobel dizem que sim

Deficiência de Vitamina A cega meio milhão de crianças por ano em todo o mundo. Arroz dourado pode ser solução, mas a Greenpeace continua a lutar contra o cultivo deste alimento

Quase um terço dos vencedores do Prémio Nobel assinaram uma carta aberta contra a campanha da Greenpeace, organização não-governamental dedicada à preservação ambiental, que se opõe ao cultivo de alimentos transgénicos, em particular, de arroz dourado.

Os 109 signatários, nos quais se incluem José Ramos-Horta, Nobel da Paz em 1996 e ex-presidente de Timor, e James Watson, Nobel da Medicina em 1962 e um dos responsáveis pela descoberta da estrutura básica do ADN, contestam a posição da organização e incentivam os governos de todo o mundo "a acelerarem o acesso dos agricultores às ferramentas da biologia moderna."

"Quantas mais pessoas pobres terão de morrer antes de considerarmos isto um 'crime contra a humanidade'?", escrevem os galardoados.

Desenvolvido nos anos 90, o arroz dourado é um grão geneticamente alterado e enriquecido com vitamina A. Segundo a Organização Mundial de Saúde, 250 milhões de pessoas nos países em desenvolvimento sofrem de uma carência desta vitamina, causando, por ano, 2 milhões de mortes e cegando meio milhão de crianças.

O arroz dourado, dizem os seus criadores e confirmam os laureados, fornece 60 por cento do valor diário aconselhado de vitamina A, tornando-se numa solução viável para este quadro negro que assombra sobretudo países africanos e asiáticos.

Os signatários criticam ainda o comportamento da Greenpeace, que não reconhece os benefícios e impactos positivos dos alimentos transgénicos, mesmo perante os relatórios científicos recentes que afirmam que "este tipo de cultivo e de alimentos é tão seguro como qualquer outro método de produção."

"Nunca foi registado um único caso de efeitos adversos na saúde dos seres humanos ou animais derivado do consumo destes alimentos. Tem-se demonstrado em repetidas ocasiões que os seus impactos ambientais são menos prejudiciais para o meio ambiente e mais que ajudam à biodiversidade global", terminam.

Wilhelmina Pelegrina, responsável pelo departamento de agricultura da Greenpeace no Sudeste da Ásia, já negou as acusações de bloqueio do cultivo do arroz doirado e reforçou que tal alimento ainda nem está disponível para venda.

Pelegrina sublinha ainda que não foi provado até ao momento que o arroz dourado possa resolver a deficiência de vitamina A e aconselha uma dieta alimentar mais diversa, o acesso equitativo à alimentação e a agricultura ecológica como soluções para este problema que afeta os países mais pobres. Cenoura, espinafre, manga e mamão são alguns dos alimentos mais ricos em vitamina A.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.