Grávidas oriundas de países com Zika devem consultar médico

Conselho alarga-se às pessoas que viagem para países com o vírus, no caso de apresentarem sintomas

A Direção-Geral da Saúde recomenda que todas as grávidas oriundas de países afetados pela doença conhecida por vírus Zika, transmitido por picada de inseto, contactem de imediato um médico, conselho estendido aos outros viajantes apenas em caso de apresentarem sintomas.

Num alerta publicado na sua página da Internet, a Direção-Geral da Saúde (DGS) aconselha os viajantes provenientes de uma área afetada, que apresentem até 12 dias após a data de regresso os sintomas da doença, que contactem a linha de saúde 24 referindo a viagem recente.

Quanto às mulheres grávidas que tenham permanecido em alguma dessas afetadas, é recomendado que "consultem o seu médico assistente mencionando a viagem".

No entanto, a DGS salienta que o vírus Zika não se transmite de pessoa a pessoa, mas apenas por picada de mosquitos infetados, sendo os sintomas em geral ligeiros e caracterizados por febre, erupções cutâneas, dores nas articulações, conjuntivite, dores de cabeça e musculares.

A maior preocupação relativamente às grávidas prende-se com o facto de existirem suspeitas, ainda não inteiramente comprovadas, de que a doença possa provocar alterações fetais durante a gravidez, em particular microcefalia.

Em Portugal já foram confirmados laboratorialmente, pelo Instituto Ricardo Jorge, quatro casos que ocorreram em cidadãos portugueses regressados do Brasil, mas que evoluíram favoravelmente.

Recentemente, foram notificados casos de doença por vírus Zika no Brasil, Cabo Verde, Colômbia, El Salvador, Fiji, Guatemala, México, Nova Caledónia, Panamá, Paraguai, Porto Rico, Samoa, Ilhas Salomão, Suriname, Vanuatu, Venezuela, Martinica, Guiana Francesa e Honduras.

A DGS recomenda ainda a quem se deslocar para uma dessas regiões que tome especiais precauções, aconselhando-se na Consulta do Viajante e cumprindo as recomendações das autoridades locais.

Estas pessoas devem também assegurar proteção contra picada de mosquitos, utilizando vestuário adequado, optando por alojamentos com ar condicionado, usando repelentes e evitando a exposição nos períodos do dia em que os mosquitos picam mais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".