Governo promete relatório do acidente dentro de um mês

Relatório do acidente será conhecido dentro de um mês, garantiu ministro do Planeamento e das Infraestruturas

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, lamentou hoje a perda de vidas humanas na queda da aeronave em Tires, que provocou cinco mortos, indicando que o relatório do acidente será conhecido dentro de um mês.

O governante, que falava no ECO Talks, em Lisboa, referiu que, em primeiro lugar, há que "lamentar a perda de vidas humanas", pois entende que estes acidentes, em qualquer circunstância e quando ocorrem, "são sempre uma grande infelicidade para as pessoas que foram afetadas e para as suas famílias" e que o relatório do acidente aéreo será conhecido dentro de um mês.

Pedro Marques realçou que a natureza do acidente e a natureza dos despojos da aeronave levam a que "a investigação tenha que ser muito detalhada".

Os investigadores do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) "estiveram no local", sendo que o passo seguinte é a realização de uma "investigação autónoma relativamente à matéria", lembrou o responsável.

E prosseguiu: "Qualquer coisa que se diga sobre esta matéria, mais do que dar toda a confiança à equipa de investigação para nos ajudar a apurar o que ocorreu e para daí tirarmos as lições para o futuro, seria completamente precipitado".

"Temos que reiterar a confiança nas nossas equipas e reiterar confiança na nossa operação aeronáutica, nos nossos aeroportos e nas nossas infraestruturas aeronáuticas que são em Portugal e na Europa, em particular, de elevadíssimos níveis de segurança", lembrou.

O ministro lamentou o acidente aéreo, adiantando que deve ser apurado "com serenidade", sendo que o aeródromo vai continuar a funcionar, uma vez que não há indicações em contrário por parte do regulador.

Cinco pessoas morreram na segunda-feira, após a queda de uma aeronave com matrícula suíça em Tires, junto ao parque de descargas do supermercado LIDL.

A aeronave atingiu ainda uma habitação e um anexo situados junto ao supermercado, tendo os seus habitantes - nove pessoas - ficado desalojados.

A aeronave descolou do aeródromo de Tires pelas 12:00, tendo-se despenhado cerca de dois quilómetros depois da descolagem, causando a morte dos quatro ocupantes e de uma pessoa que estava em terra, no parque de descargas do supermercado, alegadamente o condutor de um camião onde a aeronave embateu.

A bordo seguiam quatros pessoas: o piloto, de nacionalidade suíça, e três passageiros, duas mulheres e um homem, de nacionalidade francesa.

Segundo fonte da Proteção Civil, o aparelho dirigia-se para Marselha, em França.

Além das vítimas mortais, há ainda a registar quatro feridos ligeiros, por inalação de fumo, dois dos quais foram assistidos no local e os outros dois transportados para o hospital de Cascais.

Estiveram envolvidos nas operações de socorro 93 operacionais apoiados por 33 viaturas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".