GNR realiza operação para prevenir "estacionamento abusivo"

Objetivo é que condutores não estacionem em locais que condicionam a mobilidade dos portadores de deficiência

A Guarda Nacional Republicana (GNR) realiza entre hoje e domingo uma operação de âmbito nacional com o objetivo de prevenir e eliminar o estacionamento abusivo em locais que condicionam a mobilidade dos portadores de deficiência.

Em comunicado, a GNR indicou que a operação "100 Barreiras" vai ser dividida em duas fases, sendo que nos primeiros três dias os militares promovem ações de sensibilização junto da população, especialmente a condutores de veículos automóveis.

O objetivo, segundo a GNR, é alertar para os constrangimentos causados pelo estacionamento abusivo em locais reservados, nas passadeiras e nos passeios.

Nos dois últimos dias (sábado e domingo), os militares vão realizar ações de fiscalização no interior de localidades para combater o "estacionamento abusivo".

Esta operação conta com o apoio e colaboração da Associação Salvador, uma instituição particular de solidariedade social que atua na área da deficiência motora.

A GNR lembra também que no sábado comemora-se o "Dia Internacional das Pessoas com Deficiência".

"Neste âmbito a Guarda implementou o "Programa de Apoio a Pessoas com Deficiência" (PAPcD), visando a promoção dos direitos e garantias de condições de vida dignas às pessoas com deficiência", é referido no comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).