GNR detém três pessoas e regista nove crimes em fiscalização à segurança privada

Da operação, para a qual foram mobilizados 650 militares que realizaram mais de 460 fiscalizações, resultou ainda a apreensão de 64 doses de cocaína e sete máquinas de jogo ilegal

A GNR deteve três pessoas e registou nove crimes e 135 contraordenações durante uma operação de fiscalização à atividade de segurança privada, realizada em todo o país entre 22 e 26 de novembro, anunciou esta segunda-feira a corporação.

Durante a operação, denominada "Prisec", a Guarda Nacional Republicana apreendeu também sete máquinas de jogo ilegal, 64 doses de cocaína e dois sistemas de videovigilância, que operavam sem a devida autorização, adianta aquela força de segurança, em comunicado.

Durante os cinco dias da operação, a GNR mobilizou um total de 650 militares dos comandos territoriais, que realizaram mais de 461 ações de fiscalização, sobretudo em recintos desportivos e estabelecimentos comerciais, nomeadamente centros comerciais e estabelecimentos de restauração ou bebidas.

A GNR refere que esta operação de fiscalização ao exercício de atividade de segurança privada teve como objetivo detetar situações passíveis de configurar ilícitos criminais ou contraordenacionais, tendo sido elaborados, em cinco dias, 135 autos de notícia por contraordenação e detetados nove crimes.

Segundo a GNR, as áreas de fiscalização no âmbito desta atividade incidem sobre o pessoal e meios de segurança privada, medidas de segurança, titularidade, proibições e regras de conduta no plano da execução de serviços de segurança privada.

A GNR indica ainda que, desde o início do ano, realizou um total de 1138 ações de fiscalização a empresas, estabelecimentos comerciais e recintos desportivos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".