Roupa que tinha sido doada para África era vendida em feiras

GNR apanhou vestuário no valor de 4,25 milhões de euros numa IPSS de Santa Maria da Feira

O comando de Lisboa da GNR revelou esta terça-feira que apreendeu 4,25 milhões de euros em vestuário a uma instituição particular de solidariedade social (IPSS) de Santa Maria da Feira que vinha vendendo em feiras roupa doada para África.

A operação foi conduzida pelo Núcleo de Investigação Criminal de Mafra, que a 04 de setembro apreendeu nessa cidade e também em Torres Vedras o equivalente a "200 mil euros em vestuário de marca".

A GNR encetou então novas diligências de investigação, acabando por efetuar a 28 de setembro uma busca aos armazéns da IPSS da Feira que recebera essas peças de roupa por parte de várias "marcas de renome", a título de doação, para que esse material fosse "enviado para um país da África Ocidental".

Segundo a GNR, a instituição vinha, no entanto, procedendo "à venda desses artigos em feiras, estando por isso indiciada na prática dos crimes de burla qualificada e fraude fiscal".

Quanto ao material apreendido no armazém da Feira, incluía 96 mil artigos que alegadamente também viriam a ser convertidos em lucro, em vez de encaminhados para as comunidades africanas que a IPSS se propusera ajudar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".