Garraiada Académica para todos em Évora

Evento tem hora marcada para este sábado, pela defesa de uma universidade livre e aberta a todos

Palavra dada é palavra honrada. O movimento "Estudantes por Évora" garantiu e este sábado vai cumprir com a realização da Garraiada Académica em Évora, pela defesa de uma Universidade livre.

O resultado do referendo realizado pela Associação Académica de Évora demonstra uma academia cada vez mais fechada e intolerante à diferença. Aliás, os 1086 participantes na votação refletem apenas a irrelevância da questão para os alunos que, mais uma vez, entregaram a uma minoria o poder de decidir sobre as suas liberdades.

O movimento "Estudantes por Évora" lamenta a fragilidade da academia eborense e promete que tudo fará para permitir a todos os que frequentam a Universidade o exercício do direito de escolher participar numa Garraiada Académica.

Conforme prometido, fosse qual fosse o resultado, a Garraiada de Évora está garantida para o próximo sábado (dia 26), às 16h30, no Iroma.

Todos os que forem ao Parque do Centro de Desenvolvimento Agropecuário de Évora (antigo IROMA) vão poder assistir a concertos de Fado, concurso de pegas, jogos e muitas outras atividades. O evento é organizado pelo Núcleo de Estudantes de Agronomia da UÉ, com o apoio do movimento Estudantes por Évora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.