Funeral de Samira ainda sem data marcada

Instituto de Medicina Legal efetua esta terça-feira a autópsia ao corpo da criança encontrado no domingo na praia de onde tinha desaparecido

O corpo de Samira deverá ser autopsiado esta terça-feira, depois de só hoje ter sido identificado. Como a hora a que poderá ser entregue à família não é conhecida - há outras autópsias para efetuar no Instituto de Medicina Legal - não há previsão de quando será o funeral da criança de quatro anos que desapareceu na praia da Giribita (Caxias, Oeiras) na passada segunda-feira, tal como a irmã Viviane, de 19 meses, cujo corpo foi encontrado nessa noite.

As duas foram levadas para o local pela mãe, Sónia Lima, que está detida preventivamente no Hospital Prisão de Caxias, indiciada por duplo homicídio qualificado e arrisca uma pena de 25 anos de prisão, pois o sistema penal português não permite que uma condenação vá além desse período.

O corpo de Samira foi encontrado este domingo de manhã, dia em que teve lugar o funeral da irmã. Um homem que passeava na praia encontrou o corpo ainda dentro de água. Apesar do afogamento ser a causa mais provável, a autópsia nestes casos é obrigatória e permite despistar se a criança podia ter sido morta antes ou depois de ter sido lançada ao mar. No exame feito ao corpo da irmã bebé, Viviane, a autópsia indicou apenas asfixia por afogamento como a causa da morte. Pronunciando-se sobre a mãe das duas crianças o Ministério Público considerou que esta agiu "com especial censurabilidade e perversidade". Apresenta um quadro depressivo que requer especiais medidas na prisão.

Sónia Lima agiu alegadamente por vingança em relação ao pai das crianças, de quem se tinha separado em novembro e com quem ia disputar a guarda das filhas. O pai viu as crianças pela última vez a 6 de fevereiro numa visita na presença de outras pessoas, como acontecia desde que o casal se separou, a 4 de novembro. A mãe acusava-o de abusos sexuais às menores. Ele queixou-se dela por o querer impedir de estar com as filhas. Ambos fizeram as denúncias às instituições adequadas, oito no total. O corpo da bebé de 19 meses foi encontrado uma hora depois de a polícia marítima chegar ao local do afogamento. O alerta foi dado por um taxista que parou junto à praia e viu Sónia Lima a gritar por socorro e pelas filhas, pedindo-lhe que as salvasse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.