Freguesia de Belém troca luzes de Natal por ajuda a famílias carenciadas

Desde 2012 que a freguesia prescinde da iluminação de Natal para poupar 50 mil euros

A freguesia de Belém, em Lisboa, volta este ano a estar sem iluminações de Natal para prosseguir a ajuda anual a mais de 200 famílias carenciadas, disse hoje o presidente da Junta à agência Lusa.

"Desde 2012 que prescindimos da iluminação de Natal e essa verba, um investimento de cerca de 50 mil euros, dá para apoiarmos 213 famílias identificadas", disse Fernando Ribeiro Rosa (PSD).

Este apoio destina-se a famílias com rendimentos mensais inferiores a 419,20 euros e é prestado a nível alimentar e de higiene.

Às famílias identificadas é atribuído um cartão oferta, que tem um plafond anual e que lhes permite fazer compras numa rede de supermercados.

"Dantes tínhamos dois armazéns onde guardávamos os bens, os separávamos, fazíamos os cabazes e íamos em carrinhas da Junta e em carros particulares entregar a casa das famílias. Era uma gestão complicada. Para evitar isso, fizemos um acordo com um supermercado e as pessoas podem, durante o ano, ir fazer compras", explicou o autarca.

Contudo, o social-democrata sublinhou que o cartão só dá para comprar bens de primeira necessidade.

As famílias que já são apoiadas por instituições como o Banco Alimentar Contra a Fome, da Mesa de Nossa Senhora (o Refeitório Social da Freguesia) ou o Re-food recebem só apoio para produtos de higiene.

Uma família que não tenha apoio alimentar de outra entidade recebe apoio de higiene e alimentar.

Contrariando a ideia de que na freguesia de Belém "só vive gente rica", Fernando Ribeiro Rosa disse que isso é "errado" e têm inclusivamente moradores "que já tiveram uma vida razoável e agora estão sem nada".

O presidente da Junta frisou que esta é uma iniciativa para continuar porque "os cabazes solidários são fundamentais", mas admitiu que teve pedidos para pôr iluminação de natal nas ruas, principalmente dos comerciantes.

"Apoiamos quem se organize e instale iluminação nas ruas, como os comerciantes fizeram na rua Duarte Pacheco, mas não vamos iluminar a freguesia", afirmou.

O autarca disse que "não vai cobrar taxas" a quem se organize e que até incentiva que mais moradores tenham iniciativas semelhantes.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.