Fogo em Águeda destrói armazém e obriga a evacuar lar de idosos

Presidente da Câmara de Águeda diz que o incêndio está "incontrolável" e com várias frentes ativas, estando várias casas em risco

O incêndio que deflagrou hoje às 04:09 em Préstimo, Águeda, distrito de Aveiro, obrigou a evacuar um lar de idosos e destruiu um armazém de materiais de construção no lugar de Á-dos-Ferreiros, segundo informações recolhidas pela Lusa no local.

Em declarações à Lusa, Dora Gomes, moradora na aldeia, descreveu a situação como "caótica". "Ardeu tudo aqui à volta e agora começou outra vez", referiu esta moradora, enquanto observa as chamas a destruir uma casa desabitada, mesmo no centro da aldeia que está sem água da rede pública, nem eletricidade.

Dora Gomes conta que está a pé desde madrugada para defender a sua casa e um armazém de materiais de construção que tem no centro do lugar.

"Felizmente, conseguimos proteger tudo com a ajuda dos vizinhos. Isto foi muito complicado. Nunca passei por uma situação destas aqui", diz.

A mesma sorte não teve um outro armazém de materiais de construção, onde trabalhavam cerca de 20 pessoas, que ardeu completamente.

Um outro morador disse à Lusa que chegou a temer pela própria vida, quando viu as chamas a passar por cima do telhado da sua casa.

"A minha preocupação foi fechar a casa, pegar na mota e sair com o que tinha no corpo. Não deu tempo para mais nada", referiu Ventura Lopes, adiantando que nunca tinha visto um incêndio desta dimensão.

A mesma opinião tem Apolinário Dias, um emigrante que regressou à sua terra natal para passar férias. "Já vi aqui grandes fogos, mas como este nunca vi coisa igual, porque era em todo o lado ao mesmo tempo", disse Apolinário Dias, que chegou a ter chamas no seu quintal.

"Vimo-nos um bocado apertados porque tivemos aqui o fogo a dois metros. Aqui no meu quintal apaguei cerca de 20 fogueiras. Tenho acolá uma nespereira que ardeu e um tronco de um sobreiro também começou a arder", afirmou.

O presidente da Câmara de Águeda, Gil Nadais, disse à Lusa que o incêndio está "incontrolável" e com várias frentes ativas, colocando casas "sistematicamente em risco".

"Estamos a evacuar quem está acamado e aos outros o conselho dos bombeiros e da GNR é que abandonem os seus pertences e casas e saiam", afirmou Gil Nadais, em declarações à agência Lusa.

Destacando a "ventania brutal", associada às muito altas temperaturas, como a principal dificuldade encontrada no combate às chamas, o autarca afirmou que "o trabalho dos bombeiros tem sido só proteger pessoas e casas".

Segundo Gil Nadais, o fogo consumiu um armazém de materiais de construção, mas não há indicações de que tenha sido atingida qualquer habitação. "Já chegou às paredes das casas, mas não arderam", disse.

De acordo com o presidente da Câmara de Águeda, "a situação está incontrolável neste momento", mesmo estando no local "muitas corporações de quase todo o país" e vários meios aéreos envolvidos, que contudo "têm dificuldade em operar por causa do fumo que está no ar".

O incêndio no Préstimo deflagrou às 04:09 e mobiliza neste momento 218 operacionais, 69 viaturas e dois meios aéreos, de acordo com a informação da página da Internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC),atualizada às 14:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.