Fogo em Águeda destrói armazém e obriga a evacuar lar de idosos

Presidente da Câmara de Águeda diz que o incêndio está "incontrolável" e com várias frentes ativas, estando várias casas em risco

O incêndio que deflagrou hoje às 04:09 em Préstimo, Águeda, distrito de Aveiro, obrigou a evacuar um lar de idosos e destruiu um armazém de materiais de construção no lugar de Á-dos-Ferreiros, segundo informações recolhidas pela Lusa no local.

Em declarações à Lusa, Dora Gomes, moradora na aldeia, descreveu a situação como "caótica". "Ardeu tudo aqui à volta e agora começou outra vez", referiu esta moradora, enquanto observa as chamas a destruir uma casa desabitada, mesmo no centro da aldeia que está sem água da rede pública, nem eletricidade.

Dora Gomes conta que está a pé desde madrugada para defender a sua casa e um armazém de materiais de construção que tem no centro do lugar.

"Felizmente, conseguimos proteger tudo com a ajuda dos vizinhos. Isto foi muito complicado. Nunca passei por uma situação destas aqui", diz.

A mesma sorte não teve um outro armazém de materiais de construção, onde trabalhavam cerca de 20 pessoas, que ardeu completamente.

Um outro morador disse à Lusa que chegou a temer pela própria vida, quando viu as chamas a passar por cima do telhado da sua casa.

"A minha preocupação foi fechar a casa, pegar na mota e sair com o que tinha no corpo. Não deu tempo para mais nada", referiu Ventura Lopes, adiantando que nunca tinha visto um incêndio desta dimensão.

A mesma opinião tem Apolinário Dias, um emigrante que regressou à sua terra natal para passar férias. "Já vi aqui grandes fogos, mas como este nunca vi coisa igual, porque era em todo o lado ao mesmo tempo", disse Apolinário Dias, que chegou a ter chamas no seu quintal.

"Vimo-nos um bocado apertados porque tivemos aqui o fogo a dois metros. Aqui no meu quintal apaguei cerca de 20 fogueiras. Tenho acolá uma nespereira que ardeu e um tronco de um sobreiro também começou a arder", afirmou.

O presidente da Câmara de Águeda, Gil Nadais, disse à Lusa que o incêndio está "incontrolável" e com várias frentes ativas, colocando casas "sistematicamente em risco".

"Estamos a evacuar quem está acamado e aos outros o conselho dos bombeiros e da GNR é que abandonem os seus pertences e casas e saiam", afirmou Gil Nadais, em declarações à agência Lusa.

Destacando a "ventania brutal", associada às muito altas temperaturas, como a principal dificuldade encontrada no combate às chamas, o autarca afirmou que "o trabalho dos bombeiros tem sido só proteger pessoas e casas".

Segundo Gil Nadais, o fogo consumiu um armazém de materiais de construção, mas não há indicações de que tenha sido atingida qualquer habitação. "Já chegou às paredes das casas, mas não arderam", disse.

De acordo com o presidente da Câmara de Águeda, "a situação está incontrolável neste momento", mesmo estando no local "muitas corporações de quase todo o país" e vários meios aéreos envolvidos, que contudo "têm dificuldade em operar por causa do fumo que está no ar".

O incêndio no Préstimo deflagrou às 04:09 e mobiliza neste momento 218 operacionais, 69 viaturas e dois meios aéreos, de acordo com a informação da página da Internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC),atualizada às 14:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.