Filho de Humberto Delgado agradecido com "justo reconhecimento" do pai

Humberto Iva Delgado destacou esforço que o pai dedicou à aviação civil

Humberto Iva Delgado, filho do "general sem medo", mostrou-se hoje comovido ao discursar na cerimonia de inauguração do novo nome do aeroporto de Lisboa, considerando tratar-se de um "justo reconhecimento" ao pai, Humberto Delgado.

Ao intervir no ato, que decorreu hoje ao fim da manhã no Aeroporto da Portela, em Lisboa, Humberto Iva Delgado, que se escusou depois a falar aos jornalistas, destacou o esforço que o pai, "com a persistência que o caracterizava", dedicou à aviação civil, "organizando-a e gerindo-a de forma a modernizá-la".

"Sempre se norteou por princípios e valores que aplicou nos muitos setores em que foi chamado a servir o país, entre eles a aviação. Assim, muito nos apraz a divulgação desta vertente aeronáutica, para além da fase política da sua vida, sobejamente conhecida dos portugueses", salientou.

"O percurso do meu pai traduziu-se numa diversa intervenção social, humana e política, pois muito embora gostasse de viver e de desfrutar dos simples prazeres, abdicou da sua individualidade pelo todo, em nome dos valores fundamentais da sociedade e da justiça social", referiu, perante o presidente e o primeiro-ministro de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa.

Na mesma cerimónia, onde surgiu ao lado do seu homólogo de Loures, Bernardino Soares, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, considerou a iniciativa como "um ato de justiça histórica", que permitirá defender também a história de Portugal.

"É um dia especial e particular, em que o nome de Humberto Delgado passará a ser o da principal porta de entrada e de saída do país. É um ato de justiça histórica para com uma personalidade que teve uma vida ímpar, de dedicação ao serviço público, de coragem, de desprendimento e de abnegação", afirmou.

Além da vida civil e política, Medina realçou a carreira de sucesso de Humberto Delgado, assassinado em 1965 pela PIDE, destacando o "papel central" no desenvolvimento da aeronáutica militar.

"Este ato de justiça histórica é sobretudo um ato com visão e com sentido de futuro, porque, termos hoje o nome de Humberto Delgado na principal porta de entrada do país, vai fazer com que muitos, à entrada ou à chegada, façam a pergunta sobre quem foi Humberto Delgado.

Por seu lado, Nicolas Notebaert, presidente da empresa Vinci Airports, parceira a Aeroportos e Navegação Aérea (ANA) portuguesa, também destacou a importância do novo nome da infraestrutura lisboeta, e relembrou que 2015 foi um ano de recordes em toda a rede de aeroportos portugueses e que Lisboa "não foi exceção", atingindo 20 milhões de passageiros.

"Estes resultados de sucesso foram alcançados graças ao excelente relacionamento com as autoridades públicas, em particular com o Governo e com a Câmara Municipal de Lisboa. Ao longo destes últimos três anos. Por isso, esperamos encontrar em conjunto soluções para garantir a continuidade deste enorme crescimento, sem limitações ou restrições", afirmou.

Humberto Delgado nasceu a 15 de maio de 1906 em Boquilobo, Torres Novas, e foi assassinado a 13 de fevereiro de 1965, estando sepultado no Panteão Nacional. Estudou aeronáutica, foi adido militar de Portugal, em Washington, além de membro do comité dos representantes da Associação do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês).

Em 1958, Humberto Delgado aceitou o convite da oposição para ser candidato presidencial - contra Américo Tomás -, desafiando o regime, e recebeu manifestações de apoio um pouco por todo o país, que eram seguidas de perto e reprimidas pela Polícia Internacional e de Defesa do Estado (PIDE).

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.