Festas de Viana do Castelo sem tourada

A organização afirma que teve dificuldades na calendarização do evento. O grupo anti-touradas congratulou-se pela decisão

O movimento "Vianenses pela Liberdade" anunciou hoje à Lusa que este ano não vai realizar uma tourada "por não conseguir enquadrar" o espetáculo no programa da romaria d' Agonia, que vai decorrer entre 19 e 21 de agosto.

"Este ano não vamos realizar a tourada porque não a conseguirmos enquadrar no programa das festas d' Agonia. No dia 20 de agosto, sábado, realiza-se durante a tarde a procissão ao mar e no domingo à tarde há o cortejo etnográfico. Como a corrida de touros se realizaria às 17:00 ia colidir com esses números", afirmou à Lusa o porta-voz do movimento, José Carlos Durães.

O responsável adiantou que a decisão de não realizar o espetáculo tauromáquico este ano foi tomada em reunião do movimento, na quarta-feira à noite.

"Não iríamos conseguir faturar para pagar as despesas. Não vamos dar tiros no pé", sublinhou o porta-voz do movimento cívico criado em 2009, depois de a Câmara de então liderada por Defensor Moura ter aprovado, por proposta da maioria socialista, uma declaração afirmando Viana como cidade "anti-touradas", a primeira do país.

José Carlos Durães revelou que o movimento chegou a equacionar a possibilidade de fazer a tourada num daqueles dias, mas à noite.

"Isso ficou sem efeito por causa dos problemas que iria implicar com a iluminação da praça amovível", afirmou, acrescentando que "foi ponderada a hipótese de realização do espetáculo tauromáquico no dia 14 de agosto, "mas também iria colidir com outras festas que decorrem nesse fim de semana em várias freguesias do concelho".

Um grupo anti-touradas de Viana do Castelo congratulou-se hoje com o anúncio e afirmou que a decisão vem demonstrar que "imperou o bom senso".

"Estes senhores fizeram o que é correto. Não vale a pena insistirem porque em Viana só vão ter prejuízo", afirmou hoje à agência Lusa a porta-voz do grupo local de ativistas anti-touradas, Ana Macedo, que se mostrou "muito contente" com a decisão e acrescentou ser "um dia muito feliz para Viana do Castelo".

José Carlos Durães assegurou que em 2017 a tourada já tem data marcada para o dia 20 de agosto, dia da padroeira dos pescadores, Nossa Senhora d'Agona e da procissão ao mar.

"Em 2017 o dia 20 de agosto é um domingo e a procissão ao mar deverá fazer-se ou de manhã ou ao início da tarde. Como costumamos realizar a tourada às 17:00 já não vai haver problemas", referiu.

Em 2012, para contrariar aquela a decisão camarária, a Federação Portuguesa das Associações Taurinas "Prótoiro" realizou em agosto uma tourada no concelho, a primeira depois da aprovação daquela declaração municipal, corrida que se repetiu em 2013

Em 2014, já com organização do movimento "Vianenses pela Liberdade", a corrida inicialmente prevista para 24 de agosto foi adiada para 07 de setembro "devido a problemas administrativos criados pela Câmara de Viana do Castelo".

Desde 2012 que as touradas têm decorrido em Viana do Castelo porque o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceita as providências cautelares apresentadas pelos movimentos de aficionados, para suspender os indeferimentos municipais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.