Fenprof vai impugnar judicialmente "reuniões ilegais" para avaliar precários

Enquanto não forem aprovadas as "cerca de 30 atas em atraso", a Fenprof não aceita legitimidade das reuniões para avaliar precários

A Fenprof anunciou hoje que vai impugnar judicialmente a realização de todas as reuniões das comissões de avaliação de processos de vinculação de precários na ciência e ensino superior até que sejam aprovadas as atas das reuniões anteriores.

Para a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que tem assento nas reuniões das duas Comissões de Avaliação Bipartidas (CAB) da ciência, tecnologia e ensino superior, que estão a avaliar os quase seis mil processos submetidos no âmbito do programa para regularização de vínculos precários no Estado (PREVPAP), estas reuniões decorrem de forma ilegal.

"Apesar de alertada, ontem (segunda-feira), pela Fenprof, para a ilegalidade em que incorreria a CAB-CTES 1 (primeira comissão de avaliação bipartida deste setor), caso se realizasse a reunião prevista para hoje sem que fossem aprovadas as cerca de 30 atas em atraso, a Presidente daquela comissão decidiu manter a realização da reunião", refere a Fenprof num comunicado hoje divulgado.

Segundo a federação sindical, "durante o dia de ontem [segunda-feira], foram recebidos vários projetos de atas, contudo, não existem, ainda, projetos de 19 atas e, das 14 anteriores, a grande maioria não foi discutida e aprovada" e "apesar de alertada para a ilegalidade, a presidente da CAB-CTES 1 decidiu realizar a reunião".

A Fenprof refere no comunicado que a realização das reuniões sem aprovação de atas das anteriores viola o Código de Procedimento Administrativo e o regulamento das CAB.

"Por esta razão, a FENPROF, em representação da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, já informou a Presidente da CAB-CTES 1 que irá impugnar judicialmente a realização desta e de outras reuniões que não se limitem a aprovar atas em atraso, até ao momento em que estas se encontrem em dia", afirma a estrutura sindical.

De acordo com os dados apresentados pelo ministro da tutela, Manuel Heitor, na última audição na comissão parlamentar de educação e ciência, no início de março, às CAB do setor "foram submetidos 5.866 processos, estando já analisados 2.356 ao fim de mais de 40 reuniões de trabalho".

Dos mais de mil processos submetidos por docentes analisados até essa data apenas 37 tinham tido aprovação para regularização de vínculo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."