Falta de visibilidade devido ao nevoeiro na origem de choque com catamarã

Acidente provocou 34 feridos

Uma "avaliação deficiente da posição do navio face ao pontão", devido à falta de visibilidade, esteve na origem do acidente com um catamarã em Lisboa, a 25 de janeiro, que provocou 34 feridos, foi hoje anunciado.

"Do apuramento inicial das causas e responsabilidades relacionadas com a ocorrência resulta ter havido uma avaliação deficiente da posição do navio face ao pontão, causada pela visibilidade quase inexistente, devido ao nevoeiro cerrado, bem como pela insuficiente avaliação da velocidade de aproximação", refere o grupo Transtejo, em comunicado, depois de o Conselho de Administração ter analisado o Relatório Preliminar do acidente.

O catamarã "Antero de Quental" embateu no dia 25 de janeiro na doca da Marinha, Terreiro do Paço, proveniente do Barreiro, e, na sequência desse embate, alguns passageiros que já se tinham levantado para desembarcar foram projetados e ficaram feridos.

O balanço das vítimas foi de 34 feridos ligeiros (32 mulheres e dois homens), de um total de 561 passageiros.

"A tripulação era qualificada para operar a embarcação, sem quaisquer limitações. A embarcação "Antero de Quental" possuía toda a sua documentação em dia, dispondo de Certificado de Navegabilidade válido e cumpria o programa de manutenção definido, não se tendo observado qualquer código de alarme ou falha técnica que pudesse interferir com a manobra de atracação no momento da ocorrência", acrescenta a empresa.

O grupo Transtejo, que engloba as empresas Transtejo e Soflusa, responsáveis pelas ligações fluviais no rio Tejo, refere ainda que vai adotar medidas para reforçar a sinalética a informar sobre a necessidade de, por motivos de segurança, os passageiros "permanecerem sentados durante a viagem, especialmente durante o período de atracação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?