Falso alarme de bomba no Liceu Francês levou PSP a cortar o trânsito

Uma mochila deixada no passeio em frente à escola chamou a atenção da polícia

A PSP interditou o trânsito na rua onde se situa o Liceu Francês, em Lisboa, por causa de uma ameaça de bomba no estabelecimento escolar.

Uma mochila deixada à entrada da escola chamou a atenção dos agentes que já asseguram o reforço de segurança no Liceu Francês desde os atentados de Paris.

Segundo confirmou fonte policial ao DN, não foi, no entanto, necessário chamar uma equipa do Centro de Inativação de Explosivos. Ao fim de alguns minutos de prevenção, apareceu o estudante dono da mochila e o equívoco foi resolvido.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?