Explosão em teste da SpaceX destruiu satélite do Facebook

Mark Zuckerberg confirmou que o satélite, que iria levar Internet às zonas mais desfavorecidas do globo, ficou inutilizado pela explosão

A explosão que aconteceu esta quinta-feira durante testes de rotina para a preparação de mais um lançamento da SpaceX, a companhia privada de exploração espacial de Elon Musk, destruiu o primeiro satélite do Facebook: trata-se do AMOS-6, que faz parte do programa Internet.org da empresa de Mark Zuckerberg, cujo objetivo é levar Internet aos países em desenvolvimento, nomeadamente na África subsariana.

Segundo o Spaceflight Now, citado pelo Business Insider, o satélite do Facebook estava avaliado em 200 milhões de dólares, cerca de 180 milhões de euros.

Mark Zuckerberg confirmou através do Facebook, precisamente a partir de África, onde se encontra desde terça-feira - na primeira visita que faz à região subsariana - que a explosão no Centro Espacial Kennedy, no Cabo Canaveral (Florida, EUA), destruiu o satélite da empresa. "Estou profundamente desapontado por saber que uma falha no lançamento da SpaceX destruiu o nosso satélite, que iria fornecer conectividade a tantos empreendedores e todas as pessoas no continente. Felizmente, desenvolvemos outras tecnologias, como o Aquila [drone movido a energia solar] que irão também ligar as pessoas. Continuamos comprometidos com a nossa missão de ligar toda a gente e continuaremos a trabalhar até que todos tenham as oportunidades que este satélite iria oferecer".

A explosão no Cabo Canaveral foi registada esta quinta-feira pelas nove da manhã locais, 14:00 em Lisboa, durante um teste de rotina pré-lançamento. O lançamento do foguetão estava marcado, segundo a imprensa local, para o próximo sábado.

Segundo a SpaceX, o rebentamento deveu-se a uma anomalia na rampa de lançamento do foguetão. A plataforma, conforme é procedimento padrão, estava desimpedida e não houve, por isso, feridos a registar. O foguetão que estava na rampa, um Falcon 9, bem como toda a carga - nomeadamente o satélite do Facebook -, ficaram destruídos.

Exclusivos