Explosão em prédio de Alfama, Lisboa, provoca seis feridos, dois graves

A explosão ocorrida hoje num prédio em Alfama, Lisboa, provocou seis feridos, dois deles graves, disse o vereador Carlos Castro.

Os feridos estavam todos dentro do edifício e, segundo o vereador responsável pelo pelouro da segurança e proteção civil da Câmara de Lisboa, alguns são estrangeiros. Em causa está um edifício de cinco pisos, no número 59A da Rua dos Remédios, dentro do qual estavam 13 pessoas.

"Sete [pessoas] ficaram desalojadas e seis foram tiradas devido à explosão -- estão com queimaduras -- e foram para o hospital", precisou, falando em dois feridos graves.

Carlos Castro, que falava aos jornalistas no local pouco depois das 21:00, disse que há perigo de a fachada do prédio ruir. Questionado se os prédios adjacentes podem ser afetados, indicou que "essa é uma avaliação que terá de se fazer ao longo da noite". "Vamos garantir as condições de estabilidade desta área, mas vai ser um trabalho complexo", admitiu.

O vereador especificou que se registaram duas explosões, uma das quais deu origem ao incêndio, mas apontou que ainda não são conhecidas as causas nem se sabe em qual dos andares começou.

A agência Lusa constatou no local que os dois últimos andares do prédio, utilizados para alojamento local, são os mais afetados, tendo ruído a varanda e o telhado do último piso. Dois outros andares destinam-se a habitação e no rés do chão existe um escritório e uma mercearia.

Apesar de o fogo ter sido dado pelos bombeiros como extinto pelas 20:13, pelas 21:20 ainda se viam chamas devido a "um reacendimento", segundo o vereador.

Moradores do prédio ouvidos pela Lusa relataram que, desde há cinco meses, se sente um cheiro a gás no edifício, razão pela qual foram várias vezes chamados técnicos da eletricidade e do gás. Hoje, isso também aconteceu.

No local estão cerca de 60 operacionais, entre sapadores, bombeiros voluntários, INEM, PSP e Polícia Municipal.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.