Explosão em prédio de Alfama, Lisboa, provoca seis feridos, dois graves

A explosão ocorrida hoje num prédio em Alfama, Lisboa, provocou seis feridos, dois deles graves, disse o vereador Carlos Castro.

Os feridos estavam todos dentro do edifício e, segundo o vereador responsável pelo pelouro da segurança e proteção civil da Câmara de Lisboa, alguns são estrangeiros. Em causa está um edifício de cinco pisos, no número 59A da Rua dos Remédios, dentro do qual estavam 13 pessoas.

"Sete [pessoas] ficaram desalojadas e seis foram tiradas devido à explosão -- estão com queimaduras -- e foram para o hospital", precisou, falando em dois feridos graves.

Carlos Castro, que falava aos jornalistas no local pouco depois das 21:00, disse que há perigo de a fachada do prédio ruir. Questionado se os prédios adjacentes podem ser afetados, indicou que "essa é uma avaliação que terá de se fazer ao longo da noite". "Vamos garantir as condições de estabilidade desta área, mas vai ser um trabalho complexo", admitiu.

O vereador especificou que se registaram duas explosões, uma das quais deu origem ao incêndio, mas apontou que ainda não são conhecidas as causas nem se sabe em qual dos andares começou.

A agência Lusa constatou no local que os dois últimos andares do prédio, utilizados para alojamento local, são os mais afetados, tendo ruído a varanda e o telhado do último piso. Dois outros andares destinam-se a habitação e no rés do chão existe um escritório e uma mercearia.

Apesar de o fogo ter sido dado pelos bombeiros como extinto pelas 20:13, pelas 21:20 ainda se viam chamas devido a "um reacendimento", segundo o vereador.

Moradores do prédio ouvidos pela Lusa relataram que, desde há cinco meses, se sente um cheiro a gás no edifício, razão pela qual foram várias vezes chamados técnicos da eletricidade e do gás. Hoje, isso também aconteceu.

No local estão cerca de 60 operacionais, entre sapadores, bombeiros voluntários, INEM, PSP e Polícia Municipal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.