Exercício militar acaba com chuva de veículos de combate

Ninguém ficou ferido, mas os três veículos, largados do ar com paraquedas que falharam, ficaram totalmente destruídos

O exército dos Estados Unidos abriu uma investigação a um acidente que entretanto, graças a um vídeo partilhado no Facebook, se tornou viral. Um exercício militar na zona de treino norte-americana de Hohenfels, na Alemanha, terminou com três veículos militares, de modelo Humvee, a despenharem-se no solo e ficarem completamente destruídos.

O exercício que, segundo o jornal especializado The Army Times, teve lugar no dia 11 de abril, tinha como objetivo testar técnicas de entrega, pelo ar, de equipamento militar a zonas remotas, e foram efetuadas 150 descargas nesse dia. No entanto, no caso de três dos veículos militares que foram largados, os paraquedas falharam e estes despenharam-se. Um vídeo filmado no local, que foi partilhado por uma página de Facebook dedicada a momentos engraçados do exército americano, já foi visto mais de um milhão de vezes.

De acordo com o porta-voz do exército norte-americano Juan Martínez, que falou ao Army Times, o exército iniciou uma investigação para perceber como é que estes três veículos se soltaram dos seus paraquedas. Ninguém ficou ferido no incidente.

Imagens do estado dos veículos foram ainda colocadas no Twitter, embora a veracidade destas não esteja confirmada por fonte oficial do exército.

Juan Martínez afirmou que não sabe quem gravou o vídeo que se tornou viral, e que ainda não foi decidido se seria tomada alguma ação disciplinar contra os responsáveis. "O vídeo não apaga o trabalho e o esforço dos aliados e parceiros que participaram na missão Saber Junction 16", afirmou Martínez.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.