Exaltação patriótica em festa do regime

Concretização do "sonho" foi contada em cinco páginas de reportagem

A inauguração da então Ponte Salazar, a 6 de agosto de 1966, não poderia ter chegado em melhor altura para o regime do Estado Novo. Uma semana antes, em Londres, o Portugal de Eusébio tinha batido a União Soviética em Londres, conquistando um inédito terceiro lugar no Mundial de Inglaterra, e a exaltação patriótica estava em alta.

A cerimónia inaugural da ponte - cujos festejos, em rigor, se prolongaram por dois dias - foi noticiada no DN com o mesmo entusiasmo e inspiração poética com que tinha sido relatada a apoteótica chegada dos "Magriços" a Lisboa. "Inaugurada a Ponte Salazar - Cem milhões de Europeus viram pela televisão a maior e a mais bela ponte do velho continente", assegurava a manchete de 7 de agosto, concluindo que "A Ponte nasceu Estrela".

"Era um sonho...um sonho que deslumbrou a imaginação das crianças portuguesas através dos séculos e que desesperou a ansiedade dos adultos ao longo dos tempos: o Tejo, o rio das nossas glórias, teimava em separar as duas metade do território metropolitano", declamava o editorial da primeira página, que terminava em registo de narrativa épica, exaltando o "arco de triunfo da capacidade e da determinação de um povo que dominou a natureza no jeito de quem domina a obra da criação" e rematando com uma citação do Presidente da República: "Declaro aberta ao tráfego e ao serviço da nação a Ponte Salazar."

No interior, ao longo de cinco páginas de reportagem, o tom não mudava muito. O destaque foi para a visita do Presidente da República, Américo Tomás, à cidade de Setúbal, onde recebeu em nome do regime a gratidão das forças vivas da Pátria. "Os lavradores saberão acompanhar o esforço da nação", declarava João Branco Núncio, representante das atividades económicas, numa das frases destacadas na notícia.

A missa de Ação de Graças celebrada "aos pés de Cristo-Rei" pelo Cardeal patriarca foi outro dos principais destaques. Perante "o Chefe de Estado, o Núncio Apostólico, a quase totalidade dos membros do governo e algumas das principais autoridades de Lisboa e de Almada", Manuel Cerejeira proclamou: "A glória desta ponte pertence ao homem que a construiu, ao homem que a dirigiu, ao homem que a pensou, ao homem que a decretou."

António Salazar, talvez com o pudor de quem vê ser dado o seu nome à que era na época a maior ponte suspensa da Europa, participou discretamente nos festejos, mantendo-se longe dos microfones. Mas o elogio ao presidente do conselho repetiu-se ao longo de quase todas as páginas dedicadas à inauguração. O "grande clamor que ecoou no vale do Tejo", assegurava-se na página sete, foi resumido pela frase: "Muito obrigado Salazar" proferida pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa.

Na exaltação patriótica não faltaram elogios para ninguém, trabalhadores incluídos. Roger Blouth, da United States Steel - principal empresa responsável pelo projeto - terá enaltecido as "excecionais capacidades de trabalho do operário português".

No dia 8 de agosto o DN continuava a dedicar grande parte da primeira página aos festejos associados à inauguração da ponte, nomeadamente à regata de veleiros que se realizou sob o tabuleiro e ao "maior engarrafamento de trânsito jamais registado em Portugal, com "150 mil veículos e 1000 000 de pessoas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.