Évora prepara candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027

O autarca não tem dúvidas de que o município reúne todas as condições e o processo de candidatura deverá estar finalizado até 2020

A Câmara de Évora e outras cinco entidades regionais estão a estudar uma possível candidatura da cidade a Capital Europeia da Cultura em 2027, revelou hoje o presidente do município, Carlos Pinto de Sá.

"Não temos dúvidas que Évora tem condições para ser Capital Europeia da Cultura, mas o problema é que as exigências são muito significativas e temos de analisar se temos condições para apresentar um boa candidatura e que tenha o financiamento suficiente", afirmou o autarca.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do município reconheceu que uma eventual candidatura de Évora será "um processo longo e complicado", prevendo "grandes exigências, quer do ponto de vista de programação, quer do ponto de vista financeiro".

O estudo tem a coordenação da câmara e são parceiros a Entidade Regional de Turismo do Alentejo/Ribatejo, Universidade de Évora, Direção Regional de Cultura do Alentejo, Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo e a Fundação Eugénio de Almeida.

Independentemente das conclusões do estudo, Carlos Pinto de Sá referiu que "os parceiros já acertaram que será um trabalho que deverá ir além da candidatura", tendo em vista "a dinamização cultural de Évora".

Os parceiros pretendem "alargar a discussão aos agentes culturais e outros para todos poderem intervir e contribuir para este objetivo ou, não se concretizando, para que na cidade possa ficar algo que resulte de um pensamento estratégico, a longo prazo, para a cultura", adiantou.

O autarca recusou ainda a ideia de que é cedo para pensar na candidatura da cidade a Capital Europeia da Cultura em 2027, considerando necessário ter a "capacidade de olhar a prazo para poder decidir o que fazer e como fazer".

Segundo o município, o procedimento da possível candidatura será finalizado até 2020, prevendo uma decisão final da União Europeia sobre a cidade escolhida em 2022.

O centro histórico de Évora comemorou este ano o 30.º aniversário da classificação como Património Mundial, pela Organização das Nações Unidas, para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Para o autarca alentejano, a distinção da UNESCO, em 1986, "transformou Évora positivamente", tendo permitido um "salto qualitativo e visibilidade internacional".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?