Europa tem de decidir se quer salvar o setor do leite ou acabar com ele

Capoulas Santos diz que vai continuar a defender o restabelecimento de mecanismos de controlo de produção, já que só assim será "possível voltar a ter preços que renumerem o trabalho dos produtores"

O ministro da Agricultura afirmou hoje que a Europa "tem de decidir se quer salvaguardar o setor leiteiro ou acabar com ele", no dia em que o Governo aprovou um pacote com 17 medidas para apoiar os produtores de leite.

Capoulas Santos, que falava na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, salientou que, com o fim das quotas leiteiras, alguns estados-membros aumentaram a produção em cerca de 30%, obrigando a uma redução dos preços, e defendeu o regresso de algum tipo de mecanismo de controlo da produção.

"O objetivo destas medidas é ajudar os produtores que têm sentido uma perda de rendimento continuada, devido à baixa dos preços no mercado interno e no mercado europeu", disse o governante, sublinhando que "não é possível voltar a ter preços que remunerem o trabalho dos produtores sem que haja estabelecimento de limites de produção na Europa", já que o excesso de oferta está a pressionar os preços "no sentido do seu abaixamento".

O titular da pasta da Agricultura garantiu que vai continuar a defender na Europa o restabelecimento de mecanismos de controlo de produção, que podem chamar-se, ou não, quotas leiteiras.

"É necessário que a Europa decida se quer salvaguardar o seu setor leiteiro ou se quer, pura e simplesmente, acabar com ele", frisou Capoulas, acrescentando que a estabilidade passa por uma "alteração das posições da União Europeia" e que cada vez mais estados-membros se posicionam ao lado de Portugal na defesa da reposição do regime de quotas.

"Hoje são mais do dobro do que eram há seis meses", disse.

O ministro da Agricultura destacou, por outro lado, que o pacote de medidas hoje aprovado no Conselho de Ministros é "o mais generoso" a nível europeu, embora admita que possa ser ainda insuficiente para compensar os produtores.

"Naturalmente que, na ótica dos produtores e de quem passa uma situação difícil, as medidas são poucas (...). O que posso dizer é que o pacote de apoio português não tem comparação com qualquer outro que tenha sido aplicado em qualquer outro país da União Europeia, é o mais generoso. Admito que possa ser sempre insuficiente mas é aquilo que o Governo neste momento pode atribuir solidariamente aos produtores de leite".

O Programa Específico para o Setor do Leite e Produtos Lácteos reparte-se por 17 medidas, estruturadas em torno de sete eixos de atuação entre os quais se destacam: criação de linhas de crédito no valor global de 20.000 euros, redução dos pagamentos à Segurança Social, atribuição de uma ajuda excecional à vaca leiteira em 2016, aumentando de 50% para 70% a percentagem da antecipação da ajuda ligada à vaca leiteira, dotação específica de 10 milhões de euros no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) e rotulagem do leite com origem do produto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.