Estudo genético do tumor ajuda a tratar cancro

A identificação genética faz-se a partir da biopsia para diagnosticar o tumor: Subdivide-se o tumor em quatro subtipos verificando-se de que cancro se trata e depois decidir o tratamento mais eficaz

Um teste genético ao tumor nos casos de cancro da mama pode vir a permitir identificar com precisão o prognóstico e identificar o melhor tratamento que pode passar pela quimioterapia ou não.

Um grupo de investigadores do Hospital Clínic de Barcelona e do Instituto de Investigações Biomédicas August Pi i Sunyer (IDIBAPS) publicou um estudo na revista BMC Medicine em que as conclusões passam por passar a ser possível "a melhor estratégia terapêutica e de continuidade em cada caso concreto", explica Aleix Prat, chefe do Serviço de Oncologia do Hospital Clínic em declarações ao El País. "Os resultados do teste ajudam-nos a tomar uma decisão terapêutica sobre o cancro da mama ao saber que tipo de tratamento é o mais adequado segundo o tipo de tumor".

Para o estudo contribuiram ainda o Instituto de Oncologia de Vall d"Hebron e da Universidade americana da Carolina do Norte.

A identificação genética faz-se assim a partir da biopsia realizada para diagnosticar o tumor: Subdivide-se o tumor em quatro subtipos verificando-se de que cancro se trata e depois decidir o tratamento mais eficaz para o tratar: "O que sabemos é que cada um destes subtipos moleculares responde de maneira distinta à quimioterapia e comporta-se também de maneira diferente em relação ao prognóstico", explica Prat.

Neste trabalho foram avaliados os dados genéticos e clínicos de 957 pacientes com cancro da mama, que representa uma das maiores amostras alguma vez utilizada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.