Estudo dos ventos transformou serra do Perdigão em laboratório mundial

O Atlas Europeu do Vento é um projeto europeu de "mapeamento dos ventos"

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, disse hoje que o projeto do novo Atlas Europeu do Vento (NEWA), que decorre na Serra do Perdigão, em Vila Velha de Ródão, é um laboratório vivo de âmbito mundial.

"Isto é um laboratório vivo que mostra bem o papel da ciência (...). As várias dimensões deste projeto tornam-no único, daí a necessidade de o valorizar e dignificar que foi o que vim aqui fazer hoje", afirmou Manuel Heitor durante uma visita à Serra do Perdigão, no distrito de Castelo Branco.

O NEWA é um projeto europeu de "mapeamento dos ventos" que pretende criar novas metodologias de avaliação e gestão dos recursos eólicos, sendo que a avaliação das características do vento com fins energéticos assenta em procedimentos definidos em 1989.

O projeto NEWA, que envolve um consórcio de instituições de oito países europeus (Dinamarca, Suécia, Alemanha, Espanha, Letónia, Turquia, Bélgica e Portugal) arrancou em março de 2015 e deverá estar concluído em junho de 2019. O orçamento global é de 13,8 milhões de euros.

Na visita de hoje, Manuel Heitor realçou o trabalho científico que ali está a ser desenvolvido, que demorou mais de 10 anos a montar e que hoje envolve mais de 300 investigadores em vários países.

O ministro defendeu que só através da continuidade entre o trabalho de investigação fundamental que é feito nas universidades e nos centros de investigação, a aplicação local a aspetos de biodiversidade, da energia do vento e até aplicações militares, demonstra como é que a investigação fundamental quando é bem feita tem todo o tipo de aplicações.

"Este projeto do ponto de vista científico é particularmente interessante porque envolve investigadores em várias áreas a fazer investigação fundamental e técnicos e outros tipos de investigadores que fazem aplicações na área da energia, dos fogos, da vegetação e até na área militar e mostra bem que não há limites à ciência", sustentou.

Manuel Heitor sublinhou ainda o contexto local do projeto e adiantou que através da ciência há uma colaboração com a autarquia de Vila Velha de Ródão que deve ser reconhecia e com os proprietários dos terrenos, numa área que transformou a serra do Perdigão num verdadeiro laboratório vivo.

O governante adiantou que o NEWA é resultado de vários projetos financiados sobretudo pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e que mostra mais uma vez que vale a pena investir em ciência.

A participação nacional é assegurada pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI), Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) e Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.