Estudantes belgas de visita a Lisboa acusam PSP de brutalidade policial

Alegadas agressões da polícia portuguesa ocorreram no dia 25 de abril, quando o grupo de estudantes regressava ao hotel na Praça dos Restauradores

Um grupo de estudantes de uma escola secundária belga acusa agentes da PSP de brutalidade policial, durante uma visita de estudo a Lisboa entre 22 e 27 de abril, tendo o vereador de Educação de Antuérpia solicitado uma investigação.

O gabinete do vice-presidente e vereador de Educação de Antuérpia, Claude Marinower, indicou à Lusa que as alegadas agressões, em dois incidentes distintos, ocorreram na última terça-feira, 25 de abril, o primeiro dos quais quando o grupo, formado por 20 estudantes entre os 16 e 18 anos, acompanhados por quatro professores, regressavam ao seu hotel, na Praça dos Restauradores.

Contactada pela agência Lusa, a PSP referiu que foi aberto, pela direção nacional, um processo de averiguações para apurar o que se passou.

O subcomissário Hugo Abreu, do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, adiantou que o processo de averiguações visa não só os agentes envolvidos, como também a situação em que ocorreram os factos.

De acordo com o gabinete do vereador de Antuérpia, o grupo foi abordado por "diversos agentes policiais", tendo seis estudantes sido "encostados contra a parede de uma forma bastante brutal e humilhante" e alvo de "pontapés nas pernas e no peito", tendo um aluno fraturado mesmo um braço.

"Os agentes estavam aos gritos, em português, que os estudantes não compreendiam. Eles tentaram explicar que eram turistas e que não entendiam português, mas tal pareceu estimular os agentes a terem um comportamento ainda mais agressivo. Mesmo as tentativas dos professores de acalmar os agentes revelaram-se infrutíferas", alegam.

Segundo as autoridades de Antuérpia, no final, os agentes levaram um estudante para a esquadra, tendo o jovem afirmado que não houve qualquer interrogatório nem justificações para a sua detenção.

"Devido à falta de provas - de quê não sabemos, pois desconhecemos o que é que eles procuravam - os agentes levaram-no de volta para o hotel. Tratava-se do aluno que teve um braço partido por um dos agentes da polícia", indicam, acrescentando que "os agentes nunca deram explicações para a sua atuação".

Ainda na terça-feira, mas à noite, "após terem ido tomar uma bebida, os estudantes foram de novo atacados", argumentam as autoridades escolares.

"Ao regressarem ao seu hotel de táxi, pois tinham de estar de regresso até à meia-noite, quatro carros da polícia aproximaram-se do táxi, e os alunos e o condutor foram brutalmente forçados a sair do veículo. Uma vez mais, revistaram os alunos de forma extremamente brutal, com pontapés no rosto, na cabeça, etc, tudo isto enquanto eram encostados contra a parede como se fossem criminosos", contam.

Este novo incidente "durou cerca de hora e meia", garantindo as autoridades escolares que "os alunos não protestaram e apenas pediram um documento legal que confirmasse o que tinha ocorrido, mas os agentes riram-se e acabaram os deixar", tendo o condutor de táxi conduzido então os estudantes para o hotel.

"Na quarta-feira (26 de abril) a escola tentou apresentar uma queixa mas nenhuma esquadra os ajudou. Apenas depois da intervenção da embaixada da Bélgica é que o conseguiram", acusam ainda.

Face aos alegados factos, o vice-presidente da câmara de Antuérpia com o pelouro da Educação solicitou ao ministério belga dos Negócios Estrangeiros e à embaixada de Portugal em Bruxelas que insistam numa "investigação aprofundada".

"Os alunos e professores, os paus e a escola estão traumatizadas pelos acontecimentos", concluem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.