Estrela e Santos vão ter metro até 2021

Obra está avaliada em 215 milhões de euros

O Metro de Lisboa vai ter duas novas estações até 2021: na Estrela e em Santos, avança hoje o Público. Segundo o jornal, a obra está avaliada em 215 milhões de euros e inclui a ligação ao Cais Sodré. Campo de Ourique também faz parte dos planos do prolongamento, mas terá de aguardar financiamento.

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, confirmou ao Público que a decisão relativamente ao prolongamento da linha amarela do Metro de Lisboa está tomada, faltando apenas o estudo de impacto ambiental. Com duas opções em cima da mesa - prolongamento da linha amarela do Rato até ao Cais do Sodré ou prolongamento da linha vermelha de São Sebastião até Alcântara - ganhou a primeira.

A intenção de prolongar a linha vermelha mantém-se, mas falta financiamento. Por isso, de acordo com a mesma fonte, avalia-se apenas a possibilidade de ligar São Sebastião até Campo de Ourique, o que terá custos na ordem dos 200 milhões de euros. Para chegar a Alcântara, afirmou o ministro, seria necessário o dobro desse valor.

A estação do Cais do Sodré também vai passar por obras de forma a criar dois novos acessos ao metro e ao comboio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.