Este restaurante é para nus, não para obesos

Espaço nudista quer recriar o ambiente da Roma clássica

O primeiro restaurante nudista do Japão, com abertura prevista para 29 de julho, não vai permitir a entrada de clientes com excesso de peso, informou hoje a imprensa nipónica.

As restrições impostas pelo restaurante The Amrita provocaram críticas que consideram "ofensiva" a proibição e questionam os argumentos.

O restaurante refere na lista de regras publicada na sua página de Internet que "existe um limite em termos de peso", advertindo que "pessoas que superem em 15 quilos o peso médio para a sua altura não poderão entrar no local".

"Por favor tenham cuidado com isto", refere.

A justificação dada é a de que o estabelecimento quer recriar o ambiente da Roma clássica.

Os clientes que superem o limite estabelecido não podem entrar no restaurante e o montante que pagaram pelo jantar não lhes será devolvido.

Só se pode entrar no restaurante com reserva, que implica um pagamento prévio, com valores que vão desde os 12 mil ienes (100 euros) do menu mais básico até 80 mil (669 euros) para jantares animados por modelos masculinos, que servem às mesas e protagonizam uma série de atuações musicais.

Outras restrições são a proibição de entrada a pessoas com mais de 60 anos (só podem entrar clientes entre os 20 e 60 anos) e a quem tiver tatuagens.

Apesar de se autointitular "restaurante nudista", The Amrita impõe aos clientes o uso de roupa interior de papel, fornecida pelo estabelecimento.

Também é proibido tirar fotos no local e "falar com outros clientes ou tocar-lhes" durante o jantar, segundo a página na Internet.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.