Estas aplicações não combinam com o seu chefe

Há empresas que bloqueiam os acessos nos computadores a diversas apps, como o Facebook

Longe vão os tempos em que o maior sinónimo de rebeldia em horário laboral era usar o Web Messenger, porque o departamento informático bloqueava a instalação da app no computador de trabalho. Há empresas que hoje bloqueiam tudo, desde o Facebook ao Evernote, mas o caso é mais complicado quando se trata do smart- phone. Quando a empresa fornece o aparelho móvel, pode ir tão longe quanto instalar um software de monitorização via GPS - como o Xora StreetSmart, que recentemente levou ao despedimento de uma funcionária na Califórnia quando esta desinstalou a app. Ou quando o telefone é pessoal mas tremenda fonte de distração, o próprio empregado pode autodisciplinar-se: sim, há apps para bloquear as redes sociais durante o expediente, como a SelfControl e a Freedom. Qualquer patrão irá agradecer este esforço; mas tal não será o caso da lista que se segue. Estas são, basicamente, aplicações a que o seu chefe não irá achar muita piada se as vir no seu telefone.

1. Quit Your Job

Dos mesmos criadores de BreakUp Text, uma aplicação que termina relações quando o utilizador não o quer fazer, a Quit Your Job faz precisamente o que o nome diz - demite-o por si. Disponível apenas para iPhone (desculpem, Androids), começa por questionar o utilizador sobre o motivo que o leva a bater com a porta - está farto do mundo empresarial, quer enriquecer ou encontrou outro emprego. A app fará o resto, transformando a decisão num e-mail de demissão que será recebido pelo chefe. E dá depois acesso a uma base de dados com propostas de emprego para procurar o próximo - se bem que os criadores avisem os utilizadores de que não devem despedir-se sem terem outro emprego em vista. Básico, não? É mais virado para o mercado americano, onde a mobilidade laboral é enorme e há mais ofertas de trabalho do que as que existem neste momento em Portugal. Mas, se algum dia a usar num momento de raiva, pode sempre desculpar-se dizendo que era uma brincadeira.

2. AVG PrivacyFix

Não é surpresa para ninguém que os patrões usam aplicações de lazer para saberem o que os empregados andam a fazer, o que dizem sobre o trabalho ou os colegas e se usam redes sociais quando não devem. A app AVG PrivacyFix, disponível para Android e iOS, permite controlar a privacidade em várias redes sociais, assegurando que o chefe e colegas só veem o que quiser. Mais importante ainda, bloqueia o rastreamento de que o aparelho possa estar a ser alvo, inclusive desligando redes wi-fi para que a sua localização não possa ser determinada. É verdade, já chegámos a isto.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".