Estacionamento grátis para quem tenha passe

Câmara vai analisar a utilização gratuita dos parques de estacionamento dissuasores que forem criados nas entradas da cidade

Parques de estacionamento gratuitos nas entradas da cidade de Lisboa para quem usar transportes públicos e for detentor de passe. Esta poderá ser uma realidade durante este ano se o estudo que a Câmara de Lisboa se comprometeu a fazer der o aval à proposta da CDU, aprovada por unanimidade, de criação de parques dissuasores.

"A ideia é que entrem menos carros na cidade - por dia são perto de 400 mil - mas para isso é necessário incentivos, que passam por parques de estacionamento dissuasores nas entradas de Lisboa, que tenham uma utilização gratuita para quem se desloca em transportes públicos. Tem de se ser uma situação atrativa e que não pese no orçamento das famílias", explicou ao DN o vereador comunista João Ferreira.

O executivo camarário de maioria socialista acolheu a ideia, mas numa primeira fase vai avançar com um estudo sobre a utilização, de forma gratuita, dos parques de estacionamento que forem criados nas entradas da cidade e de outros já existentes.

O documento, apresentado no final de janeiro e agora apreciado, visava também assegurar a utilização gratuita destas infraestruturas por quem tiver o título de transporte válido, mas essa parte da deliberação foi alterada e passou a estar indicado que a câmara vai antes avaliar essa possibilidade.

"É um passo importante", diz João Ferreira, candidato da CDU à presidência da autarquia, explicando que existem várias possibilidades em estudo, "quer quanto ao preço quer quanto a possíveis parques, e está inclusivamente a estudar-se a possibilidade de incluir alguns que já existem e são geridos por privados." João Ferreira lembra que há quatro parques em Lisboa (dois são projetos e dois já em construção) que poderão ser integrados nesta proposta: o da Ameixoeira, Carnide, Colégio Militar e Lumiar.

Questionada pela Lusa, fonte da Câmara de Lisboa realçou que o documento mereceu "a concordância" da maioria socialista (que inclui também os Cidadãos por Lisboa) e acrescentou que o estudo se deve à negociação que está a ser feita relativamente aos parques.
Segundo uma informação publicada no site da CML, os trabalhos deverão estar concluídos "dentro de poucos meses".

Falando sobre a proposta do PCP, o vereador centrista João Gonçalves Pereira sustentou que "faz todo o sentido criar parques dissuasores, mas que sejam, preferencialmente, fora da cidade, junto a terminais de transporte".

"Temos de tentar é que o maior número possível de pessoas possa deixar o carro fora da cidade e aí a câmara tem de articular com os outros municípios e, se for preciso, investir", sublinhou, acrescentando que, quando colocados dentro da cidade, estes parques são "menos dissuasores e aí não devem ser gratuitos".

Também António Prôa, do PSD, defendeu que a criação destes parques "deve ser uma responsabilidade partilhada com os municípios vizinhos, de onde provêm os automóveis". Contudo, considerou que "o problema da entrada de automóveis e da mobilidade" não se resolve só com estas infraestruturas, mas sobretudo com "transportes públicos adequados". O social-democrata considerou que a proposta do PCP "não demonstra qualquer preocupação por quem vive em Lisboa", perspetivando apenas "condições vantajosas para quem vem de fora".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.