Estação do Metro em Arroios fecha até ao início de 2019 para obras

Investimento ultrapassa os sete milhões de euros

A estação de Arroios do Metropolitano de Lisboa encerra a 19 de julho durante 18 meses para obras que vão permitir o funcionamento de comboios com seis carruagens na Linha Verde e custarão mais de sete milhões de euros.

"A estação de Arroios ultrapassa os sete milhões de euros, que são para ser concretizados já este ano e que são fundamentais para que o Metro comece já a prestar um melhor serviço", destacou esta segunda-feira o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, à margem do anúncio do Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede do Metropolitano de Lisboa.

Segundo o plano do Metro, até ao final de maio vai ser escolhida a proposta de empreitada e de remodelação e ampliação desta estação, a única que não pode atualmente receber seis composições.

A estação vai encerrar a 19 de julho e a partir daí vão passar a circular seis composições em toda a Linha Verde, que liga o Cais do Sodré a Telheiras.

As obras têm uma demora prevista de um ano e meio, ou seja, até janeiro de 2019.

A intervenção em Arroios é a mais relevante das pequenas intervenções em estações do Metropolitano, realçou o ministro.

No total, estas pequenas intervenções representam um investimento previsto de 16,2 milhões de euros e são para realizar nos próximos tempos.

Em junho será lançado o concurso para acabar a estação do Areeiro, que passará a ter elevadores.

Até agosto está previsto o início dos trabalhos para instalação de elevadores e terminar as obras no Colégio Militar e serão também realizadas intervenções na estação dos Olivais e nas escadas rolantes da de Baixa-Chiado.

O Metropolitano de Lisboa vai ter mais duas estações até 2022 - Estrela e Santos -, com o custo estimado de 216 milhões de euros, com recurso a fundos comunitários e a empréstimo no BEI - Banco Europeu de Investimento.

Estão também previstas estações nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois casos sem uma data prevista de conclusão.

O plano foi apresentado pelo presidente do conselho de administração da empresa, Vitor Domingues dos Santos, numa cerimónia com as presenças do ministro do Ambiente e do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.