Estação do Metro de Arroios encerrada na noite de segunda-feira

A partir das 21:00 passarão a circular comboios com seis carruagens a a estação não tem capacidade

A estação de Arroios do Metropolitano de Lisboa vai estar encerrada na segunda-feira, a partir das 21:00, devido à circulação de seis carruagens na linha verde, foi hoje anunciado.

Numa nota publicada no seu 'site', o Metropolitano de Lisboa explica que, nessa noite, "os comboios na linha verde [liga o Cais do Sodré a Telheiras] circulam com seis carruagens", razão pela qual "a estação Arroios fica encerrada até ao final do horário de funcionamento do serviço [01:00]".

A estação de Arroios é a única em Lisboa que não está preparada para receber composições com seis carruagens, razão pela qual vai sofrer obras de requalificação, que se devem iniciar no verão de 2017 e durar 16 a 18 meses.

Em alternativa, a empresa aconselha a utilização das estações da Alameda (que tem a linha verde e vermelha) e Anjos (linha verde).

O Metropolitano refere ainda que, entre as 21:00 e a 01:00, o serviço da rodoviária Carris será reforçado no percurso entre a Praça do Chile e Alameda, "com o prolongamento da carreira 797", que liga os Sapadores à Rua Morais Soares.

Na segunda-feira, arranca em Lisboa a Web Summit, uma conferência global de tecnologia, inovação e empreendedorismo, que decorrerá até quinta-feira e onde são aguardados mais de 50.000 participantes, de mais de 165 países, incluindo mais de 20.000 empresas, 7.000 presidentes executivos e 700 investidores.

Devido a este evento, haverá um reforço no período da noite do número de carruagens do Metro, bem como um prolongamento dos horários das carreiras 736 (Cais do Sodré-Odivelas) e 728 (Portela-Restelo) da Carris.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.