Estação do Metro de Arroios encerrada na noite de segunda-feira

A partir das 21:00 passarão a circular comboios com seis carruagens a a estação não tem capacidade

A estação de Arroios do Metropolitano de Lisboa vai estar encerrada na segunda-feira, a partir das 21:00, devido à circulação de seis carruagens na linha verde, foi hoje anunciado.

Numa nota publicada no seu 'site', o Metropolitano de Lisboa explica que, nessa noite, "os comboios na linha verde [liga o Cais do Sodré a Telheiras] circulam com seis carruagens", razão pela qual "a estação Arroios fica encerrada até ao final do horário de funcionamento do serviço [01:00]".

A estação de Arroios é a única em Lisboa que não está preparada para receber composições com seis carruagens, razão pela qual vai sofrer obras de requalificação, que se devem iniciar no verão de 2017 e durar 16 a 18 meses.

Em alternativa, a empresa aconselha a utilização das estações da Alameda (que tem a linha verde e vermelha) e Anjos (linha verde).

O Metropolitano refere ainda que, entre as 21:00 e a 01:00, o serviço da rodoviária Carris será reforçado no percurso entre a Praça do Chile e Alameda, "com o prolongamento da carreira 797", que liga os Sapadores à Rua Morais Soares.

Na segunda-feira, arranca em Lisboa a Web Summit, uma conferência global de tecnologia, inovação e empreendedorismo, que decorrerá até quinta-feira e onde são aguardados mais de 50.000 participantes, de mais de 165 países, incluindo mais de 20.000 empresas, 7.000 presidentes executivos e 700 investidores.

Devido a este evento, haverá um reforço no período da noite do número de carruagens do Metro, bem como um prolongamento dos horários das carreiras 736 (Cais do Sodré-Odivelas) e 728 (Portela-Restelo) da Carris.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.