Estação de Arroios encerrada para obras até 2019

Obras servirão para aumentar o cais de embarque para que caibam comboios com seis carruagens

A estação do metro de Arroios, em Lisboa, encerrou hoje para obras de reabilitação, devendo apenas reabrir em 2019.

Segundo informação disponibilizada na página da internet da transportadora, as alterações têm um custo previsto de 7,5 milhões de euros e permitirão "a circulação de comboios de seis carruagens em toda a linha Verde" (Cais do Sodré-Telheiras), o que evitará os "constrangimentos pontuais que se verificam na hora de ponta da manhã na estação de Cais do Sodré", já a partir de quarta-feira.

De acordo com a mesma fonte, o cais de embarque do Metro de Arroios será aumentado para 105 metros de comprimento, de forma a receber comboios de seis carruagens e a estação ficará dotada de equipamentos de acessibilidade mecânicos.

A obra incluirá ainda o "embelezamento" do cais de embarque, neste caso com um painel cerâmico de Nikias Skapinakis, intitulado "Cortina Mirabolante", criado para esta estação em 2005

O anúncio das obras, em maio deste ano, foi criticado pela União das Associações de Comércio e Serviços de Lisboa (UACS), que considerava "inacreditável" que o Metro de Lisboa não tivesse informado os comerciantes.

"Parece-me inacreditável, e de um autoritarismo total, que o Metro vá fazer obras sem dizer se serão só subterrâneas ou à superfície também", disse então à agência Lusa a presidente da UACS, Carla Salsinha.

A UACS pediu na altura esclarecimentos de como iria ser a obra, porque existiam informações não oficiais sobre o decorrer dos trabalhos, o que preocupava os empresários.

Embora os comerciantes não questionassem as obras - por ser "óbvio que têm de ser realizadas", sublinhou Carla Salsinha -, a preocupação passava pelo encerramento das saídas das estações de metro, que "faz com que as pessoas façam percursos completamente diferentes e já não passem nos comércios a que estão habituadas".

As obras decorrem numa estação apontada pelo Metro como sendo "envelhecida e desadequada aos padrões de mobilidade e de acessibilidade atuais", e este projeto visa também uma melhoria na acessibilidade da estação entre a superfície e o cais de embarque, modernização de equipamentos, sistemas e instalações.

A rodoviária Carris irá durante o período de obras reforçar carreiras de autocarros, como é o caso daqueles que fazem a ligação Anjos-Alameda ou que servem as estações de metro de Anjos e Alameda.

De acordo com o Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede do Metropolitano de Lisboa, apresentado em maio, o serviço vai ter mais duas estações até 2022 - Estrela e Santos -, com o custo estimado de 216 milhões de euros, com recurso a fundos comunitários e a empréstimo no BEI - Banco Europeu de Investimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.