Já esgotámos o orçamento anual dos recursos renováveis da Terra

8 de Agosto foi o dia em que a exploração humana ultrapassa a biocapacidade da Terra, diz ONG

Em 221 dias, a humanidade esgotou o orçamento ecológico anual que a Terra garante, isto é, a partir de hoje estaremos a consumir mais recursos que aqueles que o planeta consegue renovar num ano.

Em 2015, foi 13 de agosto a marcar a preocupante passagem desse limite. Em 2000, a data em causa ainda estava prevista para setembro. Em 1975, as possibilidades esticavam até novembro. Ano após ano, consumimos, assim, com maior rapidez aquilo que a Terra nos pode continuar a oferecer.

Os principais fatores? O crescimento populacional, as crescentes emissões de carbono (resultantes da produção energética) e a má gestão dos oceanos e florestas.

"Emitimos mais dióxido de carbono para a atmosfera do que aquilo que os nossos oceanos e florestas podem absorver. Pescamos e colhemos mais e mais rapidamente do que aquilo que conseguimos reproduzir e fazer reflorescer", explica, em comunicado, a Global Footprint Network (CFN), organização não-governamental dedicada à conservação da natureza responsável pelos cálculos que determinam a data em questão.

A CFN compara os dados fornecidos pelas Nações Unidas relativos à pegada ecológica do Homem (quantidade de recursos naturais explorados) com a capacidade do planeta de se regenerar, renovando recursos e absorvendo resíduos. Atualmente, as emissões de CO2 constituem 60 por cento da pegada geral da humanidade.

"Se usamos combustíveis fósseis e emitimos CO2, é urgente que sejamos capazes de 'sequestrar' esse CO2 e neutralizá-lo", explica Mathis Wackernagel, chefe executivo da GFN, na Fast Company. O novo acordo internacional sobre o clima adotado pela Cimeira de Paris, em dezembro de 2015, prevê que, até 2050, consigamos fazer do saldo de emissões zero, ou seja, emitir a um ritmo que os oceanos e as florestas (responsáveis pela absorção desses gases) consigam acompanhar.

De acordo com o estudo da CFN, se a pegada ecológica da humanidade seguisse a tendência australiana nem cinco planetas iguais à Terra seriam suficientes para nos sustentar. Se seguíssemos o exemplo da Índia, ser-nos-ia, contudo, mais do que suficiente um único globo terrestre. Em geral, ao ritmo atualmente adotado, a população mundial exige quase duas Terras (1.6).

Relacionadas

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub