Escolas encerradas, exército e marinha no terreno. Aldeias ainda em risco

Número de vítimas vai aumentar, admite primeiro-ministro

O primeiro-ministro António Costa anunciou este domingo, após uma reunião com os autarcas dos concelhos afetados pelo incêndio que lavra no distrito de Leiria, que ficam encerrados por tempo indeterminado todos os estabelecimentos de ensino de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera e que os alunos desses concelhos não terão exames na próxima semana. As provas serão adiadas e realizadas em momento oportuno.

Costa quis ainda divulgar uma outra "nota importante": estão instalados quatro centros operacionais em Pedrógão, Avelar, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos com condições para dar resposta aos alojamentos de emergência e outros apoios sociais necessários.

A secretária de Estado da Segurança Social permanecerá no local para articular respostas e o ministro do Planeamento coordenará o conjunto de apoios que serão necessários para o restabelecimento da capacidade produtiva, ao nível da agricultura, de empresas danificadas e outros apoios necessários, acrescentou o primeiro-ministro.

Costa referiu que a situação em Pedrógão Grande está longe de estar concluída, já que algumas frentes do incêndio que já estavam dominadas reacenderam, e esclareceu que prossegue o "trabalho muito penoso de identificar, aldeia a aldeia", as vítimas que ainda possam permanecer nos locais.

"Todos os meios estão a ser mobilizados", referiu o primeiro-ministro, acrescentando que equipas da Polícia Judiciária e da Medicina Legal estão a trabalhar no terreno na identificação das vítimas e que as Forças Armadas irão reforçar a presença no local, com um conjunto de batalhões da marinha e do exército que se estão a deslocar para o terreno e que darão apoio nas operações e também às equipas da Proteção Civil e técnicos da Segurança Social que estão a fazer vistoria nas aldeias afetadas.

António Costa anunciou também que há aldeias em risco e que já foram evacuadas com colaboração da GNR, tendo apelado às populações para que sigam as instruções das autoridades. O primeiro-ministro informou ainda que houve uma revisão do número de vítimas, de 62 para 61, uma vez que uma das vítimas mortais tinha sido registada em duplicado, mas ressalvou que é expectável que o número de mortos continue a aumentar.

Já a ministra da Administração Interna garantiu mais meios no terreno, revelando que há mais dois aviões Canadair espanhóis e um francês a caminho.

Fonte dos bombeiros precisou que as três aldeias evacuadas são Graça e Derreada Cimeira, no concelho de Pedrógão Grande, e Alge, em Figueiró dos Vinhos.