Escola Alexandre Herculano, no Porto, encerrada por chover dentro das salas

Diretor decidiu encerrar a escola

A Escola Secundária Alexandre Herculano, no Porto, foi hoje encerrada pelo respetivo diretor por "chover em várias salas", anunciou o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN).

Em comunicado, o sindicato recorda que "tem vindo a alertar para a falta de condições" da escola "ao longo de vários anos", sustentando que "a decisão de encerramento deste estabelecimento de ensino por chover no seu interior é só mais um episódio que revela a sua degradação, colocando permanentemente em risco a segurança e a saúde de trabalhadores e alunos".

O Ministério da Educação afirmou entretanto estar "a recolher todas as informações" sobre o encerramento da escola, salientando estar "a trabalhar" numa "solução imediata" para retoma das aulas.

"Os serviços do Ministério da Educação estão a recolher todas as informações sobre a situação registada hoje na Escola Secundária Alexandre Herculano, no Porto, e a trabalhar no sentido de encontrar uma solução imediata que garanta a regularização das atividades letivas", lê-se numa nota escrita enviada à agência Lusa.

Recordando que a requalificação da Alexandre Herculano "integra a lista de investimentos em infraestruturas educativas e formativas a executar no âmbito dos 'Pactos Territoriais para o Desenvolvimento e Coesão' (PTDC), celebrados no âmbito dos Programas Operacionais Regionais do Acordo de Parceria Portugal 2020", o ministério diz estar em curso um "processo de concertação" com a Câmara do Porto para requalificar a escola.

"Neste momento decorre um processo de concertação entre o Ministério da Educação e o município do Porto que permitirá avançar com a requalificação e modernização desta escola, à semelhança dos que ocorreu com todos os municípios com investimentos em estabelecimentos de ensino previstos nos PTDC", sustenta.

O Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN) anunciou hoje que a Escola Secundária Alexandre Herculano foi encerrada pelo respetivo diretor por "chover em várias salas".

Em comunicado, o sindicato recorda que "tem vindo a alertar para a falta de condições" da escola "ao longo de vários anos", sustentando que "a decisão de encerramento deste estabelecimento de ensino por chover no seu interior é só mais um episódio que revela a sua degradação, colocando permanentemente em risco a segurança e a saúde de trabalhadores e alunos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?