Esclarecimentos sobre lixo de Itália já seguiram

Empresa autorizada pela Agência Portuguesa do Ambiente a realizar importação dos resíduos quer fazer a sua reciclagem

A empresa Centro Integrado de Tratamento de Resíduos Industriais (CITRI) entregou ontem, dentro do prazo requerido, os esclarecimentos que lhe foram pedidos pela Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) relativos às três mil toneladas de resíduos importadas de Itália para processamento em Portugal.

O pedido de esclarecimento da IGAMAOT foi feito na sequência dos resultados de análises que aquele organismo do ministério do Ambiente realizou, já em Portugal, aos resíduos, e que lhe suscitaram "dúvidas" em relação a um dos parâmetros, o Carbono Orgânico Dissolvido (COD). Além do pedido de esclarecimento, a IGAMAOT determinou a quarentena do lixo, que está depositado nas instalações da CITRI, na Mitrena, na Península de Setúbal.

Na última terça-feira o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, afirmou no Parlamento que a IGAMAOT mandou fazer "análises físicas" aos resíduos por "uma empresa externa", cujos resultados, segundo o ministério do Ambiente "demoram uma a duas semanas", para serem depois confrontados com os valores das análises e o esclarecimento enviados pela empresa.

Em comunicado, a CITRI garantiu ontem que vai "requerer formalmente à APA [Agência Portuguesa do Ambiente] a possibilidade de reciclar e valorizar os resíduos, uma vez que está comprovada a sua não perigosidade e ausência de contaminantes". A CITRI confirma ainda que todas as suas análises mostram que os resíduos não são perigosos.

Como o DN noticiou no dia 3 de dezembro, a APA, que tem essa competência, autorizou a importação dos resíduos pela CITRI com base nas análises fornecidas pelas autoridades italianas, e que "já apresentavam níveis de COD semelhantes" aos das análises feitas pela IGAMAOT. Ou seja, com base em valores da mesma ordem de grandeza, a APA autorizou a importação e a IGAMAOT determinou a quarentena e pediu esclarecimentos. Agora vai ser preciso esperar pelos resultados das novas análises já feitas.

Ler mais

Exclusivos