Equipa liderada por portuguesa descobre "mundo aquático" num exoplaneta

Investigadores conseguiram determinar massa de planeta fora do Sistema Solar que pode ter entre 9% a 50% de água

Uma equipa internacional liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) conseguiu determinar com precisão a massa de dois planetas fora do Sistema Solar, concluindo que um deles contém entre 9% a 50% de água, tratando-se de um "mundo aquático".

Segundo uma nota informativa do IA, a equipa, que envolve investigadores de 11 países e tem como primeira autora Susana Barros, determinou a massa de dois planetas que giram à volta da estrela HD 106315, concluindo que o menor (HD 106315 b) tem uma massa 12,6 vezes maior que a da Terra, enquanto o maior (HD 106315 c) tem uma massa 15,2 vezes maior.

Os valores obtidos demonstram que "o planeta 'b'" tem um espesso envelope de hidrogénio-hélio, mas investigação detalhada ao planeta "b", recorrendo a modelos de interiores planetários, indicam até 50% de material rochoso, e entre 9 e 50% de água, ou seja, este é um mundo aquático", refere o comunicado.

Estas conclusões foram conseguidas através de dados provenientes de um programa de observação com o espetrógrafo (instrumento que decompõe a luz nas suas várias cores) HARPS, do Observatório Europeu do Sul (ESO).

A equipa verificou igualmente que o planeta HD 106315 b tem um período de 9,5 dias e um diâmetro 2,44 vezes maior que o da Terra, enquanto o HD 106315 c tem um período de 21 dias e um diâmetro 4,35 vezes maior.

Estes dois planetas foram detetados previamente pelo satélite Kepler, da NASA, através do método de trânsito, que consiste na medição da diminuição da luz de uma estrela, provocada pela passagem de um exoplaneta à sua frente (algo semelhante a um micro-eclipse).

"Através de um trânsito é possível determinar apenas o raio do planeta", lê-se no comunicado.

De acordo com o IA, para verificar algumas características do planeta (se é gasoso ou rochoso, ou se tem atmosfera), os investigadores precisam de saber a sua massa, informação obtida a partir do método das velocidades radiais.

Esse método, continua a nota informativa, deteta exoplanetas medindo pequenas variações na velocidade (radial) da estrela, originadas pelo movimento que a órbita desses planetas imprime na estrela.

Os dois métodos em conjunto permitem determinar massa real dos planetas, o que foi conseguido neste estudo, que deu origem ao artigo "Precise masses for the transiting planetary system HD 106315 with HARPS", publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics.

De acordo com a investigadora do IA Susana Barros, que colabora com a Universidade do Porto e é a primeira autora do artigo, o sistema planetário descrito neste estudo demonstra a diversidade da composição destes planetas.

"Como a estrela que estes [planetas] transitam é bastante brilhante, será ainda possível estudar as suas atmosferas. Com instrumentação atual é possível observar a atmosfera do planeta c, mas para o planeta b será necessário esperar por instrumentos como o Telescópio Espacial James Webb (JWST), que será lançado em 2019", explicou a cientista.

Estudar atmosferas com instrumentos como o JWST, da NASA, ou o Extremely Large Telescope (ELT), do ESO, irá permitir uma melhor compreensão acerca da composição do HD 106315 b, já que o planeta está no limite entre os planetas rochosos e os planetas gasosos, acrescenta o comunicado.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.