Equipa liderada por portuguesa descobre "mundo aquático" num exoplaneta

Investigadores conseguiram determinar massa de planeta fora do Sistema Solar que pode ter entre 9% a 50% de água

Uma equipa internacional liderada pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA) conseguiu determinar com precisão a massa de dois planetas fora do Sistema Solar, concluindo que um deles contém entre 9% a 50% de água, tratando-se de um "mundo aquático".

Segundo uma nota informativa do IA, a equipa, que envolve investigadores de 11 países e tem como primeira autora Susana Barros, determinou a massa de dois planetas que giram à volta da estrela HD 106315, concluindo que o menor (HD 106315 b) tem uma massa 12,6 vezes maior que a da Terra, enquanto o maior (HD 106315 c) tem uma massa 15,2 vezes maior.

Os valores obtidos demonstram que "o planeta 'b'" tem um espesso envelope de hidrogénio-hélio, mas investigação detalhada ao planeta "b", recorrendo a modelos de interiores planetários, indicam até 50% de material rochoso, e entre 9 e 50% de água, ou seja, este é um mundo aquático", refere o comunicado.

Estas conclusões foram conseguidas através de dados provenientes de um programa de observação com o espetrógrafo (instrumento que decompõe a luz nas suas várias cores) HARPS, do Observatório Europeu do Sul (ESO).

A equipa verificou igualmente que o planeta HD 106315 b tem um período de 9,5 dias e um diâmetro 2,44 vezes maior que o da Terra, enquanto o HD 106315 c tem um período de 21 dias e um diâmetro 4,35 vezes maior.

Estes dois planetas foram detetados previamente pelo satélite Kepler, da NASA, através do método de trânsito, que consiste na medição da diminuição da luz de uma estrela, provocada pela passagem de um exoplaneta à sua frente (algo semelhante a um micro-eclipse).

"Através de um trânsito é possível determinar apenas o raio do planeta", lê-se no comunicado.

De acordo com o IA, para verificar algumas características do planeta (se é gasoso ou rochoso, ou se tem atmosfera), os investigadores precisam de saber a sua massa, informação obtida a partir do método das velocidades radiais.

Esse método, continua a nota informativa, deteta exoplanetas medindo pequenas variações na velocidade (radial) da estrela, originadas pelo movimento que a órbita desses planetas imprime na estrela.

Os dois métodos em conjunto permitem determinar massa real dos planetas, o que foi conseguido neste estudo, que deu origem ao artigo "Precise masses for the transiting planetary system HD 106315 with HARPS", publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics.

De acordo com a investigadora do IA Susana Barros, que colabora com a Universidade do Porto e é a primeira autora do artigo, o sistema planetário descrito neste estudo demonstra a diversidade da composição destes planetas.

"Como a estrela que estes [planetas] transitam é bastante brilhante, será ainda possível estudar as suas atmosferas. Com instrumentação atual é possível observar a atmosfera do planeta c, mas para o planeta b será necessário esperar por instrumentos como o Telescópio Espacial James Webb (JWST), que será lançado em 2019", explicou a cientista.

Estudar atmosferas com instrumentos como o JWST, da NASA, ou o Extremely Large Telescope (ELT), do ESO, irá permitir uma melhor compreensão acerca da composição do HD 106315 b, já que o planeta está no limite entre os planetas rochosos e os planetas gasosos, acrescenta o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?