Equipa cinotécnica vai ajudar a procurar vestígios biológicos

Duas pessoas estão ainda desaparecidas na sequência da explosão na fábrica de pirotecnia em Avões

Uma equipa cinotécnica da GNR especializada na identificação e busca de vestígios biológicos vai esta quinta-feira à tarde participar nas operações em Avões, no concelho de Lamego, disse o comandante operacional distrital de Viseu, Miguel David.

Na sequência de explosões ocorridas na terça-feira à tarde numa fábrica de pirotecnia em Avões, seis corpos foram transportados na quarta-feira para o Instituto de Medicina Legal do Porto, mas duas pessoas encontram-se ainda desaparecidas.

No ponto de situação feito às 15:30 aos jornalistas, Miguel David explicou que as equipas continuam "a fazer a recolha de vestígios biológicos no terreno" e "a inativação de explosivos de uma forma controlada".

Segundo o responsável, a novidade de hoje à tarde é o reforço com "uma equipa cinotécnica da GNR proveniente de Lisboa, com uma especialidade também na identificação e busca de vestígios biológicos".

"É uma equipa que vai fazer intervenção no terreno, logo que estejam criadas as condições, no âmbito da identificação de vestígios biológicos", explicou.

Também o dispositivo de bombeiros foi reforçado, "apenas como medida preventiva, uma vez que se faz sentir algum vento na zona do teatro de operações", havendo o risco de ocorrer alguma ignição, acrescentou.

Miguel David reiterou que as equipas que se encontram no terreno estão a fazer "um trabalho minucioso", em que têm de ser salvaguardadas as condições de segurança dos operacionais.

"Por isso, é moroso, para que se possa progredir com segurança", justificou.

O comandante operacional distrital de Viseu disse aos jornalistas não poder, neste momento, fazer uma quantificação dos explosivos que ainda há no terreno, nem uma estimativa de quando as operações serão concluídas.

"O trabalho que vamos iniciar nos próximos momentos vai ser determinante. Seria prematuro estar a dar-vos essa garantia neste momento", afirmou.

O próximo ponto de situação está marcado para as 19:45.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.