Ikea pede desculpa por anúncio em que faz troça de solteiras

O anúncio de 29 segundos suscitou comentários de indignação

A filial na China da empresa sueca de mobiliário Ikea pediu desculpa por um anúncio televisivo que causou indignação nas redes sociais do país asiático por fazer troça das mulheres solteiras.

O anúncio de 29 segundos começa com uma mãe a dizer à filha: "não me chames mãe até trazeres um namorado para casa".

A filha surge de semblante triste até que o seu namorado bate à porta, trazendo-lhe flores.

O ambiente muda então e, subitamente, o cenário surge repleto de móveis do Ikea, com um jantar de boas vindas ao namorado, que faz a família e vizinhos rejubilar.

O anúncio, difundido através da plataforma Sina Weibo - equivalente chinês ao Twitter - teve em poucas horas mais de 21 milhões de visitas, e levou a comentários de indignação, apontando-o como "totalmente inapropriado", por alimentar o estigma contra mulheres solteiras.

A empresa retirou, entretanto, o anúncio e publicou um comunicado no Weibo em que pede "sinceras" desculpas por dar "uma perceção errada".

Segundo o jornal chinês Global Times, o Ikea pediu já a todas as plataformas que difundiram o anúncio que o retirem.

A pressão social em torno do casamento continua a ser grande na China, onde a rápida modernização não abalou alguns costumes tradicionais.

Segundo dados do Ministério chinês dos Assuntos Civis, os solteiros do país passaram de 6% da população, desde 1990, para 15%, em 2016 - equivalente a 200 milhões de pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.