Ikea pede desculpa por anúncio em que faz troça de solteiras

O anúncio de 29 segundos suscitou comentários de indignação

A filial na China da empresa sueca de mobiliário Ikea pediu desculpa por um anúncio televisivo que causou indignação nas redes sociais do país asiático por fazer troça das mulheres solteiras.

O anúncio de 29 segundos começa com uma mãe a dizer à filha: "não me chames mãe até trazeres um namorado para casa".

A filha surge de semblante triste até que o seu namorado bate à porta, trazendo-lhe flores.

O ambiente muda então e, subitamente, o cenário surge repleto de móveis do Ikea, com um jantar de boas vindas ao namorado, que faz a família e vizinhos rejubilar.

O anúncio, difundido através da plataforma Sina Weibo - equivalente chinês ao Twitter - teve em poucas horas mais de 21 milhões de visitas, e levou a comentários de indignação, apontando-o como "totalmente inapropriado", por alimentar o estigma contra mulheres solteiras.

A empresa retirou, entretanto, o anúncio e publicou um comunicado no Weibo em que pede "sinceras" desculpas por dar "uma perceção errada".

Segundo o jornal chinês Global Times, o Ikea pediu já a todas as plataformas que difundiram o anúncio que o retirem.

A pressão social em torno do casamento continua a ser grande na China, onde a rápida modernização não abalou alguns costumes tradicionais.

Segundo dados do Ministério chinês dos Assuntos Civis, os solteiros do país passaram de 6% da população, desde 1990, para 15%, em 2016 - equivalente a 200 milhões de pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).